Europa deve olhar para Africa sem paternalismo -- Durão Barroso

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, disse hoje que a Europa deve "evitar uma atitude paternalista em relação a África", apostando no potencial deste continente.

Durão Barroso, que falava à margem do 1.º EurAfrican Forum, um evento que pretende fomentar a aproximação e criar relações de confiança entre os dois continentes, sublinhou que as parcerias com países africanos são fundamentais também para a Europa.

"África vai ser o maior mercado do mundo, o continente que tem maior dinamismo demográfico e o parceiro natural, até por razões demográficas, é a Europa", afirmou o antigo primeiro-ministro português.

Durão Barroso apontou várias vantagens do continente africano, como os recursos naturais, uma população "dinâmica e criativa" e a "resiliência" das pessoas, mas também alguns problemas como a "falta de organização e de capacidade de gestão", que podem melhorar com o contributo europeu.

"Acredito que África pode ter um crescimento extraordinário nos próximos anos", vincou o ex-político, considerando que "com educação, com infraestruturas e com respeito por regras básicas, regras de direito, África vai ser o futuro" e a Europa deve unir-se a áreas do mundo onde há maior potencial de crescimento.

Durão Barroso, que abandonou a vida política e é atualmente presidente não executivo do banco Goldman Sachs, disse ainda que a política para África não pode estar assente apenas na cooperação para o desenvolvimento e na ajuda humanitária.

"Isso não resolve o problema, tem de haver o interesse esclarecido, ou seja, criar condições para que haja investimento a longo prazo", declarou.

O ex-responsável da Comissão Europeia admitiu que existem ainda preconceitos, não só da parte dos europeus, mas também entre os próprios africanos e considerou desejável avançar com uma zona de comércio livre.

"Hoje em dia, ir da Argélia para Marrocos é quase impossível", comentou, destacando a importância de construir "um espaço de livres trocas" como o europeu, para estimular o comércio.

Por outro lado, desvalorizou as tensões anteriores entre Portugal e Angola, comparando-as às relações familiares.

"Por vezes [as famílias têm] problemas, há discussões, há zangas. Às vezes quanto mais próximas são as relações, maior é a intensidade porque as pessoas são suscetíveis. Foi o que se passou com Portugal e Angola", resumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.