Eurodeputada Maria João Rodrigues aguarda "com tranquilidade" processo de assédio moral no PE

A eurodeputada do Partido Socialista (PS) Maria João Rodrigues confirmou hoje à agência Lusa o processo de assédio moral de que está a ser alvo no Parlamento Europeu, referindo que aguarda "com tranquilidade" a conclusão da investigação.

Em causa estão as notícias avançadas pelo site Político e o jornal Expresso com base numa denúncia feita por uma assistente parlamentar do gabinete de Maria João Rodrigues contra si.

Numa declaração escrita enviada à Lusa, Maria João Rodrigues lamenta "que esta assistente nunca tenha explicitado divergências de entendimento numa conversa franca, como é próprio duma equipa".

"Confrontada com o teor da queixa apresentada contra mim, fui convidada a apresentar a minha versão dos factos. Aguardo com tranquilidade a conclusão da investigação na instância parlamentar competente", indica.

A eurodeputada admite ter contactado a funcionária fora do horário do trabalho, mas garante que as relações laborais que estabelece são "baseadas no respeito e confiança mútuos", bem como na alta motivação e empenho dos funcionários.

"O ritmo de trabalho no meu gabinete parlamentar é o ritmo próprio de um gabinete envolvido em processos complexos e intensos, nomeadamente quando se assume funções de liderança num grupo parlamentar de mais de 180 deputados", explica.

Segundo Maria João Rodrigues, esta assistente, que tinha entre as suas funções a gestão da agenda e viagens, alega que não foi rigorosamente respeitado o seu horário de trabalho, uma vez que terá sido contactada fora desse horário.

"Sim, confirmo que o fiz quando me encontrei perante contratempos relacionados com essas mesmas viagens, e com o intuito de para eles encontrar soluções", explica.

Quanto às licenças de maternidade e de doença que a funcionária pediu por 20 meses, Maria João Rodrigues diz fazer questão de dizer que as respeitou "integralmente", tendo reorganizado a sua equipa para esse efeito.

"Acrescento, ainda, que a assistente manteve a totalidade do seu salário ao longo deste período", disse.

De acordo com a eurodeputada do PS, estes casos de divergências quanto aos deveres profissionais são frequentes.

"O que já não é frequente é serem tratados na esfera pública e antes de serem concluídos na respetiva instância competente. A razão pela qual este caso está a vir para a esfera pública é porque se pretende influenciar a composição das listas de deputados às próximas eleições europeias", considera.

O jornal Expresso diz ter contactado com fontes que pediram o anonimato e que descreveram que no ambiente no gabinete de Maria João Rodrigues existe "uma sensação de medo e de humilhação permanentes", descrevendo acessos de fúria constantes e injustificados, pressões, ameaças de represálias.

A eurodeputada considera estas informações apresentadas no semanário "incorretas, distorcidas e caluniosas".

"Deveriam ter sido confirmadas com outros colaboradores meus", lamenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.