Eurodeputada do PS questiona CE devido a violações em campo de refugiados

A eurodeputada socialista Liliana Rodrigues questionou hoje a Comissão Europeia sobre que medidas adotará para impedir mais casos de violações de mulheres e crianças e tentativas de suicídio no campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos.

"De acordo com a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), chegam todas as semanas à sua clínica, junto ao campo de Moria, em Lesbos, casos de mulheres e crianças violadas. Na maior parte dos casos não há queixas, por medo de represálias. Num local onde não deviam viver mais de 3.100, estão mais de nove mil. Por cada 80 pessoas há uma casa de banho, por cada 200 há um duche. Vivem em contentores ou tendas. Não há espaço para as crianças brincarem. Todas as semanas, há casos de adolescentes que tentam suicidar-se", descreveu Liliana Rodrigues na pergunta escrita feita à Comissão Europeia sobre aquele que já é considerado "o pior campo de refugiados do mundo".

Sublinhando que "isto ocorre em território europeu", a eurodeputada socialista alerta: "A responsabilidade é nossa".

"Não é desta forma que aqueles que mais precisam da nossa solidariedade devem iniciar o seu percurso no nosso continente", defendeu Liliana Rodrigues, citada em comunicado hoje divulgado, acrescentando que "a União Europeia e os seus Estados membros têm o dever de assegurar as condições mínimas de segurança e de dignidade àqueles que chegam à Europa com o objetivo de começar uma nova vida".

Por essa razão, pergunta à CE: "Em relação aos casos de violação, que medidas estão a ser implementadas pela Comissão para proteger estes migrantes, especialmente os mais vulneráveis?" e "Como pode a Comissão garantir que os violadores responderão perante a justiça?".

Indicando que os MSF alertaram para a existência no campo de Moria de casos de crianças que, "devido às condições em que vivem, desenvolveram tendências suicidas e chegaram ao posto médico com feridas autoinfligidas", a eurodeputada socialista referiu que "os problemas nos países de origem, a longa jornada até ao país de chegada e as condições de vida nos campos, muitas vezes sobrelotados, contribuem para o desenvolvimento de traumas", pelo que sustentou ser "imperativo que estes jovens tenham um acompanhamento psicológico adequado".

Daí perguntar ainda à CE se "existe algum acompanhamento psicológico para os jovens que tentaram o suicídio", depois de referir que um coordenador dos Médicos Sem Fronteiras afirmou mesmo que "muitos dos campos de refugiados em África têm melhores condições".

Segundo dados do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) citados no comunicado, entre 2014 e 2016, chegou a território grego cerca de um milhão de pessoas; em 2017, o número quase atingiu as 30 mil pessoas; e, este ano, até julho, era de aproximadamente 15 mil pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.