Euro sobe mas mantém-se na fasquia dos 1,12 dólares

Lisboa, 01 mai 2019 (Lusa) -- O euro subiu hoje face ao dólar, pela segunda sessão consecutiva, continuando na barreira dos 1,12 dólares, após o banco central norte-americano ter mantido as taxas de juro nos níveis atuais.

Às 18:12 (hora de Lisboa) o euro seguia a 1,1245 dólares quando na terça-feira, pela mesma hora, negociava a 1,1215 dólares.

No entanto, o euro caiu em comparação com a libra e com o iene.

Na terça-feira, o banco central norte-americano iniciou uma reunião de dois dias e teve de manter as taxas de juro nos níveis atuais, numa altura em que a Casa Branca pressiona para reclamar juros mais baixos.

Numa alteração da sua política monetária em março, a Reserva Federal (Fed) suspendeu a subida gradual das taxas de juro e a redução da sua carteira de ativos, devido à incerteza sobre a evolução da economia norte-americana, com a inflação mais fraca.

As taxas de juro de referência, que influenciam todos os outros tipos de crédito, estão atualmente entre 2,25% e 2,5%, e a Fed não prevê aumentá-las este ano.

Mas a pausa nas subidas não parece suficiente para a Casa Branca, que tem vindo a reclamar uma política monetária mais acomodatícia.

Jerome Powell, presidente da Fed, dará uma conferência de imprensa na quarta-feira às 19:30 (hora de Lisboa), após a publicação de um comunicado com as principais decisões do banco central.

Divisas..........hoje................terça-feira

Euro/dólar.......1,1245...................1,1215

Euro/libra.......0,85969.................0,85998

Euro/iene.........124,99..................124,84

Dólar/iene.......111,15...................111,32

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.