Etiquetagem da origem do leite leva a investimento de 400 mil euros por tipo de produto

O diretor-geral da Direção Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV), Fernando Bernardo, disse hoje que o regime de etiquetagem da origem do leite obriga a um investimento de cerca de 400 mil euros por tipo de produto.

"O desenvolvimento de uma rotulagem específica para cada produto que tenha na sua base leite obriga a um investimento de cerca de 400 mil euros", disse Fernando Bernardo, que falava sobre o regime em causa no fórum "Leite -- Produto Nacional de Excelência", que decorreu em Lisboa.

Apesar de notar a necessidade de um "avultado" investimento, o responsável disse que o novo regime constitui "uma oportunidade para a indústria nacional valorizar o leite produzido em Portugal", criando, entre outras, a possibilidade "de melhorar os preços na produção primária".

O diretor-geral da DGAV notou ainda que, além da origem do produto, os rótulos devem conter informação "clara e concisa" sobre as suas características e validade.

De acordo com a legislação aplicada, cada rótulo deve conter a indicação de origem do leite, o país de ordenha e o país de transformação.

Em 2017 foi publicado o decreto-lei que estabelece as normas nacionais relativas à origem do leite, que inclui ainda os produtos pré-embalados e aqueles que são fornecidos a estabelecimentos de restauração.

Entre os produtos abrangidos por este diploma encontram-se o leite e a nata, concentrados ou coalhados, o soro de leite, manteigas e outras matérias gordas provenientes do leite, bem como queijo e requeijão.

De acordo com os dados disponibilizados pela Confagri -- Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal, em 2017, a produção de leite em Portugal atingiu as 1.864.602 toneladas, representando 1,3% da produção Europeia.

No período de referência, estavam registados 5.017 produtores de leite, com um efetivo de 244 mil vacas leiteiras. A produção de leite nacional, em 2017, correspondeu a 689,1 milhões de euros, o que equivale a 12% do valor da agricultura e 28% do valor da produção animal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.