Estudantes universitários do Porto criam projeto gastronómico multicultural

A pensar na promoção e divulgação da gastronomia do Porto nasceu em março o Porto Tasty, um projeto formado por alunos da universidade da cidade, oriundos de diferentes nacionalidades, e realizado em três idiomas.

O Porto Tasty, que começou por ser um blogue, foi criado por nove estudantes -- cinco portugueses, dois espanhóis e dois brasileiros - do curso de Ciências da Comunicação da Universidade do Porto.

Eduardo Ribeiro, um dos responsáveis do projeto, falou à agência Lusa do projeto que se distingue de outros semelhantes por "ser um projeto universitário, que se dedica a divulgar unicamente a gastronomia do Porto, é composto por elementos de diferentes nacionalidades e feito em idiomas diferentes, que é uma coisa que realmente não se vê muito".

O projeto tem um blogue no qual se dá a conhecer diferentes tipos de pratos e costumes gastronómicos do Porto, através de rubricas escritas semanalmente que estão disponíveis em três idiomas diferentes (português, inglês e espanhol) para atingir uma vasta audiência.

"O nosso objetivo é conseguir ter uma audiência. O brasileiro era um público que queríamos também captar, tem uma maior população, foi onde nos quisemos focar", destacou Eduardo Ribeiro.

Direcionado para a comida típica portuguesa, o projeto foi sugerido por um professor da unidade curricular de Públicos e Audiências, que propôs como tema a divulgação e promoção da cidade do Porto como destino gastronómico.

O nome "curto" e "simples", que "fica no ouvido", surgiu numa das reuniões do grupo que optou pelo inglês para chegar a um público "mais internacional", confidenciou o responsável.

Para além do 'website' o projeto está acessível nas redes sociais e, com apenas um mês de existência, conta já algum 'feedback' do público.

"À medida que vamos andando, conseguimos ter algum feedback, sugestões. Por exemplo, o 'instagram' agora também já está a ter uma audiência maior, já temos mais seguidores, que começam a comentar as nossas fotos, a dizer que já estiveram naquele sítio e que gostaram" frisou.

De acordo com o estudante, o Porto Tasty promove também o turismo, salientando que para alcançarem "mais audiência" não se podem restringir a "contactar restaurantes ou blogues sobre gastronomia", mas também exploram "blogues de turismo".

Um dos parceiros do projeto é o Viagem Livre, uma plataforma brasileira, onde o Porto Tasty publica artigos para aumentar a audiência.

Para Eduardo, a expansão "ainda é algo a pensar", seria "realmente uma boa opção [e] uma forma de ter mais pessoas a contribuir".

"Já estivemos a pensar em não cingirmos ao Porto centro, mas também ir para os arredores, por exemplo, Amarante, Matosinhos, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, mas para já, o objetivo é captar mais audiência e os turistas vindo para cá interessam-se mais pelo Porto cidade" revelou.

O financiamento do projeto é feito pelos próprios alunos, uma vez que não têm apoios porque, contou, para já "não se justifica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.