Estudantes da Universidade da Beira Interior criam jogo que alerta para a cibersegurança

Dois estudantes da Universidade da Beira Interior (UBI) estão a desenvolver um videojogo que pretende alertar os adolescentes para a cibersegurança, anunciou hoje aquela instituição de ensino superior sediada na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

Em nota de imprensa publicada na página oficial da internet, a UBI adianta que o protótipo tem como público-alvo jovens entre os 14 e os 17 anos e que está a ser desenvolvido por Inês Lopes e Gonçalo Fonseca, licenciados em Engenharia Informática e alunos do mestrado de Design e Desenvolvimento de Jogos Digitais.

Com a designação de "Game for Cybercrime Prevention", o trabalho dos dois estudantes "resultou na criação do design de um videojogo para 'smartphone' que alerta para as boas práticas no âmbito da cibersegurança e para os riscos da utilização da internet".

Segundo o referido, o projeto "apresenta um modelo alternativo aos habituais jogos educativos, propondo ao utilizador que recorra os seus conhecimentos para ultrapassar os desafios, centrados nos campos que maiores preocupações têm suscitado ao nível internacional, como as redes sociais, por exemplo".

Realizado a partir de uma colaboração entre a Universidade da Beira Interior (UBI) e a TaC - Together Against Cybercrime International, este projeto já foi apresentado no Internet Governance Forum (IGF) das Nações Unidas, que decorreu em Geneve (Suíça), em dezembro, a convite da TaC, uma organização não governamental com sede em França.

Além da divulgação do projeto, os autores da ideia estabeleceram contactos com o objetivo de conseguirem apoios para criar uma 'startup'.

"Neste evento sobre governação da internet, foi-nos possível participar em várias sessões sobre temáticas da mesma e observar os diferentes pontos de vista que diferentes países e culturas têm relativamente ao assunto. Tivemos também a possibilidade de participar num debate entre jovens do Youth IGF Movement e membros da Delegação da União Europeia, com a participação da Comissária Europeia da Economia e Sociedade Digital, Mariya Gabriel", refere Inês Lopes, citada na nota da UBI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.