Estivadores aprovaram novo prazo para negociação do contrato coletivo de trabalho no porto de Setúbal

Os estivadores do porto de Setúbal aprovaram hoje em plenário o prolongamento, até 08 de maio, do prazo de negociação do novo contrato coletivo de trabalho (CCT) para o porto de Setúbal, revelou à agência Lusa fonte sindical.

No mês de março, o Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) tinha feito um ultimato a exigir a conclusão das negociações do novo CCT até 25 de abril, mas, face ao acordo entre o sindicato, associações patronais e mediação do Governo, para uma nova ronda negocial, decidiram aceitar a prorrogação do prazo até 08 de maio.

Em 14 de dezembro do ano passado, o SEAL e os operadores portuários, sob mediação do Governo, chegaram a acordo para o regresso ao trabalho dos estivadores, depois da recusa da esmagadora maioria, contratados à jorna, em se apresentarem ao trabalho, situação que praticamente paralisou o porto de Setúbal durante mais de um mês.

O acordo entre o SEAL e os operadores portuários de Setúbal previa a passagem a efetivos de 56 trabalhadores precários e o levantamento de todas as formas de luta, incluindo a greve ao trabalho extraordinário, bem como a negociação e aprovação de um contrato coletivo de trabalho no prazo de 75 dias, prazo esse que já foi largamente ultrapassado sem que tivesse sido alcançado um entendimento entre as partes.

Poucos dias antes de ter sido celebrado o acordo que permitiu retomar a atividade portuária em Setúbal em 14 de dezembro do ano passado, a Associação Industrial da Península de Setúbal tinha alertado para as consequências da paralisação, referindo que as principais empresas da região de Setúbal - onde se incluem a Navigator e a Autoeuropa, dois dos três maiores exportadores nacionais -, estavam impedidas de importar matéria-prima e de exportar os seus produtos.

Até final do ano passado cerca de 90% dos estivadores do porto de Setúbal eram contratados ao turno, sem quaisquer regalias sociais, situação que foi mantida durante duas décadas pelas empresas de trabalho portuário do porto de Setúbal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.