Estatuto do bombeiro profissional pode ser aprovado até ao final do ano - Governo

O Governo espera ter o estatuto do bombeiro profissional aprovado até ao final do ano, disse hoje o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, em Olhão.

Falando nas comemorações do dia do bombeiro profissional, realizadas hoje na cidade algarvia, o governante prometeu ao presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, ter esse trabalho feito até ao final do mês para que o setor se possa pronunciar.

"Hoje sabemos que há sapadores bombeiros em múltiplos municípios - casos de Lisboa, Porto, [Vila Nova de] Gaia, Braga Coimbra, Setúbal -- mas há também múltiplas câmaras municipais que têm bombeiros municipais e não têm carreira definida. Só os sapadores bombeiros, os regimentos que já existem há muitos anos, têm uma carreira", explicou.

Por isso, o Governo prepara uma nova Lei Orgânica da Proteção Civil, que prevê uma carreira única de bombeiro profissional, que abrangerá a administração central e a local, precisou.

"Os municipais não têm carreira, os da administração central, da força especial de bombeiros, que agora vão ficar na função pública por força do PREVPAP [plano de regularização de vínculos precários da Administração Pública] também não têm uma carreira. E esse trabalho está a ser feito, com a colega do emprego público e da segurança social, estamos a fechá-la, a encerrá-la, já temos tudo perfeitamente claro sobre o que pretendemos e esperamos que até ao fim do mês possamos dialogá-la com as entidades representativas, nomeadamente com a ANBP", adiantou.

Questionado sobre a data da eventual aprovação, o governante apontou como meta que "até ao fim do ano esse trabalho seja feito".

"Sinto que podemos antecipar, mas não queria ser demasiado otimista. Mas queremos que seja aprovada o mais rapidamente possível", acrescentou.

Sobre a criação de uma única carreira, Artur Neves considerou ser "vantajoso", porque pode "facilitar que algum bombeiro que queira mudar possa pedir a transferência" da administração central para uma corporação municipal, exemplificou.

O presidente da ANPB, Fernando Curto, já tinha apontado o fim do ano como meta para que o Governo pudesse aprovar o estatuto do bombeiro profissional, no seu discurso durante a cerimónia oficial do dia do Bombeiro, mas no final precisou aos jornalistas os principais motivos por que considera necessária a aprovação de uma matéria ela qual a associação luta já há uma década.

"È sem dúvida muito importante para nós, por dois motivos fundamentais: um deles tem a ver com a organização da nossa estrutura, que está espartilhada pelo país -- em bombeiros sapadores, municipais, Força Especial de Bombeiros (FEB) e profissionais de associações humanitárias", disse.

A outra, acrescentou, "porque há mais de 10 anos" que a ANBP "espera que o Governo possa regulamentar e regularizar esta carreira".

"É uma luta que se mantém e queremos concluí-la, esperemos que seja este ano para que possamos ter, tal como as outras forças de segurança, o estatuto que nos é devido por direito próprio", afirmou.

As comemorações do 11.º dia nacional do bombeiro profissional juntaram hoje cerca de 250 elementos de 32 corpos de bombeiros sapadores, municipais e voluntários de todo o país, numa cerimónia realizada em Olhão, e que foi presidida pelo secretário de Estado da Proteção Civil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.