Estado da Nação: Dívida pública está na sala mas Governo olha pela janela - Economista

O economista Miguel St. Aubyn mostrou-se preocupado com o elevado peso da dívida pública, afirmando que é um problema que "está na sala" e que o Governo não pode continuar a "olhar pela janela".

"Temos uma dívida pública muito grande e, portanto, essa dívida pública está na sala e temos de a ver, não podemos só olhar para a janela", afirmou o professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), numa entrevista à agência Lusa nas vésperas do debate do estado da Nação, no parlamento.

Para o economista, o país "está a recuperar de um período bastante difícil", inserido num contexto europeu e internacional de "alguma recuperação", mas o seu estado "não é completamente saudável e completamente seguro".

"É uma nação que recupera com algumas mazelas", considerou o recém nomeado vogal do Conselho Superior do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

Admitindo ser "cauteloso por natureza", Miguel St. Aubyn considerou que o elevado endividamento é um dos problemas da economia portuguesa.

"Temos uma divida pública que tem de ser sorvida e, portanto, amortizada; os juros têm de ser pagos. Isso é uma punção muito importante na nossa economia. Portanto, claro que a [subida da dívida] preocupa", afirmou.

A dívida pública ainda não inverteu a tendência de subida que tem vindo a ser anunciada sucessivamente e, em 2015, atingiu os 129% do Produto Interno Bruto (PIB), tendo subido para os 130,3% no final de 2016 e voltado a crescer para os 130,5% no primeiro trimestre deste ano.

Miguel St. Aubyn, que integrou o grupo de trabalho para a sustentabilidade da dívida, coordenado pelo Governo e que contou com deputados do PS e Bloco de Esquerda, mantém que "se deve olhar de frente" para a possibilidade da reestruturação da dívida.

Recorde-se que o grupo de trabalho do PS e Bloco de Esquerda sobre a dívida pública propôs, entre outras medidas, uma reestruturação dos empréstimos europeus, através da diminuição dos juros para 1,0% e do alargamento do prazo de pagamento para 60 anos.

"Penso que as dívidas públicas no contexto europeu devem ser tratadas como um problema", disse o economista, acrescentando que o debate sobre a reestruturação da dívida "se vai impor mais cedo ou mais tarde".

Questionado sobre se a eventual redução do programa de compra de dívida pública pelo Banco Central Europeu (BCE) pode incentivar esse debate, Miguel St. Aubyn respondeu que "talvez".

Para o professor do ISEG, a forma como o Estado se pode proteger da redução dos estímulos do BCE passa por "solidificar o crescimento económico".

"Se conseguirmos pelo menos que este recente crescimento se mantenha isso é extremamente importante para a sustentabilidade da dívida, para as contas públicas e para não se estar tão dependente da política monetária" do BCE, disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".