Especialistas reunidos em Lisboa para aumentar o conhecimento do sono das mulheres

Centenas de especialistas vão estar reunidos em Lisboa entre hoje e sábado numa conferência que pretende "diminuir o desconhecimento sobre o sono das mulheres em várias doenças", disse à agência Lusa uma das organizadoras do evento, Teresa Paiva.

A organizadora do 'Lisbon Sleep Summit' afirma que o sono das mulheres "é muito mal conhecido" e as implicações terapêuticas entre mulheres e homens são diferentes.

"Há muita coisa que não se sabe e muita coisa de que não se tem a certeza, no que diz respeito ao sono das mulheres em determinadas doenças e efetivamente há diferenças na forma como as doenças funcionam nos homens e nas mulheres (...) e isso implica também terapêuticas diferentes", afirmou a neurologista e especialista em sono.

Segundo Teresa Paiva é "necessário alertar" para determinadas situações da vida da mulher de hoje que derivam num sono pior nas mulheres do que nos homens.

"O 'summit' vai incluir pessoas de várias formações e com essas diferenças vamos tentar lançar para a sociedade as questões que ficam abertas e que é necessário fazer. Vamos tentar transferir do conhecimento científico e do conhecimento clínico problemas para resolução social", esclareceu a especialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.