Espaço para universitários previsto no projeto de requalificação de Entrecampos, Lisboa

A Operação Integrada de Entrecampos, em Lisboa, vai contar com um equipamento aberto 24 horas para os alunos universitários poderem estudar, segundo uma proposta apresentada pelo PSD e que foi aprovada hoje pela Câmara Municipal.

O executivo municipal de Lisboa aprovou, por maioria, as orientações estratégicas para a Operação Integrada de Entrecampos e deu, também, aval a uma proposta do PSD, apresentada como um "contributo para a melhoria" deste projeto.

No documento apresentado pelos sociais-democratas, é contemplado um "novo equipamento de espaço 24 horas aos estudantes universitários de Lisboa, com uma área de 400 metros quadrados, orientado para a promoção de uma cultura de empreendedorismo através da comunicação entre o novo polo internacional de serviços de excelência de Entrecampos e os estudantes do ensino superior da cidade, a incluir no loteamento da Av. das Forças Armadas".

O texto apresentado pelo PSD prevê também "um reforço da percentagem de habitação", sendo que atualmente está previsto "30%, e o objetivo é que chegue próximo dos 35%", explicou o vereador João Pedro Costa.

Segundo o eleito, nesta habitação devem predominar "tipologias viradas para a família", pelo que "a grande maioria das habitações deve ser de T2 para cima".

Segundo a vereadora Teresa Leal Coelho, o PSD já tem vindo a dar contributos neste projeto e a "proposta final resultará da integração da proposta do PSD na proposta do executivo".

O documento prevê também que o projeto contemple estacionamento para os moradores e seja feito um estudo de tráfego na zona.

Esta operação prevê a construção de 700 fogos de habitação de renda acessível na zona de Entrecampos (515 construídos pelo município) e de um parque de estacionamento público na Avenida 5 de Outubro. A operação está orçada em 800 milhões de euros, dos quais 100 milhões serão responsabilidade do município.

Nos terrenos da antiga Feira Popular vão nascer mais 279 habitações, que serão postas em regime de venda livre, e escritórios, que a Câmara prevê que levem à criação de 15 mil novos empregos.

A Câmara de Lisboa abriu em 01 de junho a discussão pública do projeto de loteamento nos terrenos da antiga Feira Popular, e foi possível apresentar propostas até 22 de junho.

O envio para consulta pública da Operação Integrada de Entrecampos, como lhe chama o município, foi aprovado em 17 de maio com os votos favoráveis de quase todos os vereadores da Câmara Municipal de Lisboa, exceto o CDS-PP, que alegou que a proposta viola as regras do Plano Diretor Municipal (PDM).

Em 07 de junho realizou-se na Assembleia Municipal de Lisboa uma discussão pública sobre a reabilitação da zona de Entrecampos, mas em meados de maio também já tinha sido realizado um debate de atualidade sobre este projeto.

Em declarações à agência Lusa, o vereador João Ferreira (PCP), frisou que existe um "conjunto de questões que suscitam dúvidas e reservas", nomeadamente a "ausência de estudos de impacto económico, funcional e ambiental daquela solução".

João Gonçalves Pereira, do CDS-PP, manifestou "enormes reservas em matéria de substância de legalidade daquela operação". Na sua opinião, "em Entrecampos devia haver 70% de habitação e 30% de serviços, e não o contrário".

Já Ricardo Robles (BE) salientou à Lusa que "não deixa de haver uma alienação de património, mas agora há uma lógica de cidade diferente".

"Lisboa perde aquele terreno, mas ganha em habitação e equipamentos para a população", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)