Escola profissional em Loures prepara alunos para um futuro nos transportes

Em Loures há uma escola profissional que há 25 anos prepara jovens para entrar no mercado de trabalho na área dos transportes através de uma parceria entre a autarquia local, uma associação e até uma federação de sindicatos.

A aposta no ensino profissional levou hoje o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, ao IPTrans - Instituto Profissional de Transportes, que nasceu há 25 anos para qualificar pessoas para o setor dos transportes.

"Hoje é um dia de homenagem e celebração para esta escola", assim como "para o ensino profissional que não pode ser secundarizado e não pode estar na periferia do que é a nossa escola", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, em declarações aos jornalistas.

O ensino profissional permite a certificação profissional e académica e, para o ministro, a escola de Loures é "um belo exemplo de uma escola profissional vocacionada para os transportes que trabalha a partir do município de Loures para todo o país".

O IPTrans permite aos alunos fazer o secundário aprendendo uma profissão, mantendo uma ligação ao mercado de trabalho.

"É um bom exemplo porque forma os estudantes que passam por esta escola para integrarem o mercado de trabalho, mas dá-lhes valências, competências e qualificações para poderem efetivamente ir para o ensino superior, se assim o entenderem", sublinhou Tiago Brandão Rodrigues.

"As qualificações da escola são absolutamente fundamentais para sermos competitivos em termos económicos e para podermos viver melhor nas nossas cidades, com gente mais preparada a conduzir os nossos alunos, a trabalhar nos transportes públicos ou a fazer a distribuição de alimentos e de bens que tantas vezes acontece durante a noite e muitas vezes nem nos apercebemos de volume e dimensão que têm", lembrou.

Por detrás desta escola está a Câmara Municipal de Loures, a ANTRAM - Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias - e a FECTRANS - Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações.

"É uma boa parceria entre o mundo empresarial, uma organização sindical e também a câmara municipal", defendeu o ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.