Enviado do Burundi às Nações Unidas apela a ajuda para acabar com crise política

O enviado do Burundi às Nações Unidas pediu hoje ao Conselho de Segurança que faça um apelo a todos os protagonistas para que participem num diálogo destinado a ajudar a acabar com a crise política no país.

Michel Kafando disse ao Conselho de Segurança que o anúncio do Presidente Pierre Nkurunziza feito em junho de que não se candidataria a mais um mandado e iria apoiar o vencedor das eleições presidenciais em 2020 "oferece uma oportunidade de fazer progressos em chegar a uma solução final da questão do Burundi".

O anúncio de Nkurunziza seguiu-se a um referendo, bem-sucedido, sobre uma nova constituição que lhe permitiria permanecer no poder até 2034.

O Burundi tem sofrido com violência política desde abril de 2015, quando Nkurunziza anunciou que iria candidatar-se a um terceiro mandato então em disputa. Venceu as eleições, apesar dos protestos generalizados e o país tem vivido com conflitos internos desde então.

A comissão de inquérito das Nações Unidas disse em setembro passado que crimes contra a humanidade tinham sido cometidos no Burundi, incluindo assassinatos, tortura, violência sexual, prisões forçadas e arbitrárias.

O Burundi tem sido atormentado pelos mesmos conflitos étnicos em que se envolveram hutus e tutsis durante o genocídio de 1994, no vizinho Ruanda.

A guerra no Burundi, que é esmagadoramente hutu, começou em 1993, quando paraquedistas tutsis mataram o primeiro Presidente democraticamente eleito no país, hutu de etnia.

A luta entre os rebeldes hutus e o exército dominado pelos tutsis resultou na morte de mais de 250 mil pessoas.

Um cessar-fogo foi declarado em 2006, mas demorou vários anos para acabar com os combates.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.