ENTREVISTA: Portugal tem uma visão "cor-de-rosa" e "falsa" sobre a Primeira Guerra - historiador

A participação de Portugal na Primeira Guerra resultou de "um projeto político radical" contestado pelo Exército e pela sociedade, defende o historiador António José Telo, criticando a visão histórica "cor-de-rosa" e "falsa" que subsiste sobre este período.

"As ideias que existem são bastante erradas. Os manuais escolares continuam a dizer que Portugal entrou na Guerra a pedido da Inglaterra. Não é bem assim. Na realidade, a Guerra provoca uma profunda divisão na sociedade portuguesa [...] e a esmagadora maioria, quer do mundo político, quer da opinião pública, alinha com os chamados anti-guerristas", disse o historiador, em entrevista à agência Lusa.

O professor catedrático de História na Academia Militar trabalha, desde 2014, numa linha de investigação ligada à evocação dos 100 anos da Primeira Guerra Mundial, do Ministério da Defesa, tendo já publicado dois livros: um sobre o Corpo Expedicionário Português (CEP) em França e outro sobre a guerra no Atlântico português.

Ainda em novembro, quando se assinala um século da assinatura do Armistício, deverá ser publicado um volume sobre a Guerra em África, ficando a coleção completa com um livro sobre a parte final do CEP e o pós-guerra em Portugal.

António José Telo sustenta que Portugal entrou na Grande Guerra por causa de "um pequeno grupo radical" de republicanos, o chamado Partido Democrático, que forçou a integração das tropas portuguesas no conflito contra a vontade da Inglaterra.

"É este setor que vai forçar a beligerância portuguesa contra a opinião da Inglaterra", pensando que "conseguiriam o apoio de Inglaterra", o surgimento de "um movimento patriótico" que unisse o país à volta destes radicais e a consolidação "do seu poder político", acrescentou.

Uma vez aceite a participação portuguesa no terreno de batalha, explica o historiador, assiste-se a "uma resistência, passiva e ativa, de toda a sociedade portuguesa e em particular do corpo de oficiais do Exército, que entendem esta beligerância como um projeto não nacional".

Por outro lado, acrescenta, havia também a resistência da Inglaterra a braços, em França, mas também em África, com um corpo militar "ineficaz", "indisciplinado" e "minado de clubes".

"O Corpo Expedicionário Português (CEP) em França foi desde o início forçado a um Exército que não o queria. Ninguém entendia o que o Corpo Expedicionário estava a fazer em França. Só o aceitam porque os radicais portugueses conseguem o apoio do Governo francês e encostam Inglaterra à parede", disse.

Para o historiador, "o que é triste é que esta realidade é apresentada como um projeto nacional, por razões patrióticas, para manter o império, as colonias, a integridade nacional, para nos defender contra a agressão alemã...Não foi nada disso, foi por um projeto partidário de criar uma república radical e que era de facto antidemocrática".

Por isso, sustenta, é preciso "desmistificar" as ideias sobre a participação de Portugal na Primeira Guerra.

"Continuamos a ser o país europeu que tem a ideia mais errada do que foi a beligerância portuguesa" e existe, tal como naquela altura, uma união "à volta de uma visão de propaganda e falsa" sobre o que se passou, afiança o historiador.

Admitindo que sente a censura a estas ideias, António José Telo afirma não ter "absolutamente qualquer ilusão que esta [sua] visão se imponha a curto prazo".

"Os que se opõem a [esta visão] estão instalados nas alavancas principais da produção histórica e tentam por todos os meios ocultar a verdade. Vai continuar a vigorar a visão cor-de-rosa, a visão errada, a visão do radicalismo de dinossauros sobre o que foi a beligerância portuguesa", considerou.

Portugal participou na Primeira Guerra com cerca de 100 mil militares ao lado dos aliados, enviando soldados para a frente de batalha em França (1917 - 1918), Angola (em 1914-1915) e Moçambique (1914-1918).

Para assinalar os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial mais de 60 chefes de Estado, incluindo o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, participam domingo, em Paris, no Dia do Armistício.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.