ENTREVISTA: Participação na Binter CV prevê cedência de rotas e investimento financeiro -- PM de Cabo Verde

A participação do Estado no capital da companhia aérea Binter - Cabo Verde prevê a cedência das rotas domésticas, avaliadas em 30%, e um investimento financeiro de 19%, disse em entrevista à agência Lusa o primeiro-ministro cabo-verdiano.

"O Governo vai entrar com 49% no capital da Binter Cabo Verde (Binter CV) para o negócio aéreo doméstico. Trinta por cento é cedência de posição comercial, que não implica esforço por parte do Estado, e 19% é entrada em investimentos. Esses 49% podem ser dispersados em bolsa mais tarde para investidores institucionais e privados cabo-verdianos", disse Ulisses Correia e Silva.

O Governo de Cabo Verde anunciou terça-feira o fecho da operação doméstica da companhia de bandeira Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) a partir de agosto - passando para a Binter CV a exclusividade dos voos entre ilhas - e a entrada do Estado no capital daquela empresa privada.

Paralelamente, o Governo adiantou estar a trabalhar em dois cenários para reestruturação e privatização da operação internacional da TACV, que passará pela criação de uma nova companhia, livre dos atuais cerca de 100 milhões de euros de passivo e que se passará a chamar TACV Internacional.

"É evidente que o Estado terá uma posição na companhia TACV para os voos internacionais", disse Ulisses Correia e Silva.

O primeiro-ministro adiantou que já foram identificados os parceiros para a reestruturação e privatização da TACV, com os quais decorrem negociações, mas escusou-se a avançar quantas propostas estão em cima da mesa.

"Este processo tem sido uma negociação muito complexa e tem que ser salvaguardado", disse, assegurando que o processo de privatização não inclui a concessão dos aeroportos.

"É só a TACV. Vamos é operacionalizar o conceito de 'hub' do aeroporto do Sal, mas para a função, não para a cedência de propriedade", disse, justificando que só desta forma "se cria valor" para a privatização da empresa.

"Mas isso não quer dizer concessão ou propriedade para o parceiro que for escolhido. A gestão de aeroporto é uma coisa, a companhia de bandeira é outra", reforçou.

Ulisses Correia e Silva sublinhou o facto de, com a privatização, ser possível manter a marca TACV e de o Governo estar à procura de uma solução para o passivo da atual empresa.

"Há indicações muito claras relativamente a parceiros, liderados pelo Banco Mundial, no sentido de encontrar formas de financiar esse passivo. Tinha que ser feito. Colocar a TACV para privatizar com esse passivo era a mesma coisa que declarar a sua liquidação", disse.

Questionado sobre a urgência na apresentação do plano parcial para a companhia aérea, quando o Banco Mundial aguarda um documento global sobre a reestruturação da empresa, Ulisses Correia e Silva disse tratar-se de "marcar um momento de decisão" relativamente à operação doméstica.

O primeiro-ministro negou que se tenha sentido pressionado por declarações recentes da representante do Banco Mundial para Cabo Verde, que adiantou que a instituição irá manter suspensa a ajuda orçamental ao país até receber do Governo uma proposta para resolver o risco fiscal que a TACV representa para o país.

"Estou pressionado é pelos prejuízos, pelos impactos negativos. O problema não é do Banco Mundial, é nosso. Durante 15 anos, deixou-se arrastar a situação que virou um problema gravíssimo, que tem potencial, se não for resolvido, de por este país a ir abaixo", considerou.

Ulisses Correia e Silva adiantou que a empresa "entrou numa situação de inviabilidade" que foi "estancada", para evitar o bloqueio de financiamentos a Cabo Verde.

"Ninguém vai dar ajuda orçamental para financiar um buraco sem solução", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.