ENTREVISTA: Investimento da BP em renováveis aguarda "ecossistema estável" em Portugal

O presidente da BP Portugal, Pedro Oliveira, afirmou hoje que o investimento em renováveis da multinacional britânica em Portugal está dependente da existência de um "ecossistema estável", referindo que os próximo passos serão dados "com cautela".

"Portugal não vai ficar à margem dessa agenda [de investimento renovável], mas vamos dar os passos com a cautela necessária face a um curto e médio prazo que é relativamente incerto, e tem até dimensões de arbitragem fiscal relevantes e que pode transformar uma linha de negócio apetecível numa linha de negócio ruinoso", afirmou Pedro Oliveira.

Em entrevista à Lusa no âmbito do 90.º aniversário da BP em Portugal, o presidente adiantou que a multinacional é hoje "um 'player' mundial ao nível das eólicas, dos biocombustíveis, do gás natural, comprou o maior promotor de projetos solares - Lightsource - na Europa, e tem uma posição na agenda da mobilidade elétrica".

Quando questionado se a empresa está já a analisar projetos concretos, o responsável recusou "responder com essa objetividade", mas, adiantou: "a BP a nível central está a olhar a Europa e porque é que Portugal não deveria ser uma opção para o grupo BP, tendo nós a presença que temos neste país".

"Mas tem que haver um ecossistema estável em termos de investimento e as mudanças não ajudam a estabelecer as condições de base para estarmos no radar com a força com que gostaríamos", declarou.

Pedro Oliveira lembrou que "há muitos anos a BP teve um projeto solar previsto para o Alentejo que, à última hora, porque se alteraram determinadas condições, não aconteceu e esse investimento não pode ser levado a cabo".

Em causa estava a instalação daquela que, segundo a imprensa, seria a maior central de energia solar do mundo, um investimento de cerca de 250 milhões de euros, na vila da Amareleja, concelho de Moura.

Em novembro de 2003 foi assinado um acordo de cooperação que oficializava a construção da estrutura entre a Agência Portuguesa para o Investimento (API), a Direção Geral de Energia, a AMPER Central Solar, SA e a BP Solar Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.