ENTREVISTA: Europeias: UE elogia Portugal, mas política económica não mudou "uma vírgula" - Marisa Matias

Os elogios na União Europeia (UE) ao desempenho da economia portuguesa não se traduziram em qualquer mudança na política económica comunitária, diz a cabeça de lista do BE às eleições europeias, Marisa Matias.

"Nem uma vírgula foi alterada nos tratados por causa da experiência que se viveu em Portugal", critica a eurodeputada em entrevista à agência Lusa.

Marisa Matias, que se candidata a um terceiro mandato no Parlamento Europeu (PE), assegura mesmo que "a maior frustração" do mandato que está a terminar foi, enquanto membro da Comissão de Assuntos Económicos e Monetários, perceber que a UE não aprendeu "rigorosamente nada com a crise".

A eurodeputada do BE frisa que a reversão de cortes em Portugal "foi feita em confrontação com o que está escrito nos tratados", o que faz do caso português "a exceção e não a regra".

"Nem mesmo comprovando que o que era preciso era aumentar os salários e não esmagá-los, e não reduzir os direitos laborais, como são as recomendações europeias", salienta.

Com a mudança prevista nas políticas para tentar salvar o euro do Banco Central Europeu (BCE), que vai levar a uma subida das taxas de juro, a UE está "na iminência de uma próxima crise" e, nesse cenário, "quem vai sofrer na pele são os países periféricos".

"Mesmo aqueles, como Portugal, que ao contrário do que seria de esperar tiveram um crescimento económico acima da média e conseguiram reduzir 10 pontos percentuais na dívida pública", continuam confrontados com uma dívida "ainda impagável" numa UE em que "nada foi feito para que se controlasse verdadeiramente" este problema.

Além disso, o crescimento da economia portuguesa, "não está consolidado o suficiente [...] para aguentar o embate", alerta.

"Assistimos nos últimos anos a enormes desequilíbrios macroeconómicos, as economias periféricas a serem esmagadas, o que foi feito com a Grécia, com Portugal, e creio que se há uma lição que se pode retirar é que quando se procura sacrificar o país em nome de um acordo com a UE, a única coisa que resta é o sacrifício do país porque a UE não vai cumprir esse acordo", acusa.

Exemplo, assegura, são as sanções por incumprimento do défice, em que "os critérios do défice não são iguais para todos".

Além disso, muito do trabalho desenvolvido pelo PE nesta legislatura para uma "verdadeira regulação do sistema financeiro" não levou a mudanças efetivas.

"Tivemos várias comissões de inquérito e comissões especiais em relação às políticas fiscais, políticas de evasão e de elisão fiscal, à existência de paraísos fiscais dentro da própria UE. Houve resultados muito importantes desse trabalho e as consequências foram zero", critica.

"É uma frustração enorme perceber como é que ao longo destes dez anos, e eu entrei no PE precisamente na sequência da grande crise financeira, que se converteu numa crise económica e numa crise social [...], foram dez anos de falsas promessas e da constatação que, no essencial, ninguém estava muito interessado em mudar a natureza da construção e da integração europeia que conhecemos até agora", lamenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.