ENTREVISTA: Estado são-tomense "saberá responder" sobre vantagens de milho híbrido - PR

O Presidente são-tomense defendeu hoje que o Estado saberá responder em devido tempo sobre os resultados de uma experiência chinesa com milho híbrido no país, que motivou uma greve de fome de protesto de uma ambientalista em Lisboa.

Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, Evaristo Carvalho referiu que "o Estado saberá responder em devido tempo sobre as vantagens ou não" em relação a este projeto, criticado por ambientalistas.

A ambientalista são-tomense Elsa Garrido, da associação Greenpeace, está há 17 dias em greve de fome em frente à embaixada do seu país em Lisboa, em protesto contra a falta de transparência na introdução de milho transgénico chinês no arquipélago.

Em abril, o chefe da missão agrícola chinesa em São Tomé, Hou Xiaoping, disse aos jornalistas que uma equipa de técnicos chineses começou a cultivar milho híbrido - que resulta de cruzamentos controlados entre duas espécies diferentes, mas pertencentes ao mesmo género - no campo hortícola de Mesquita no centro da ilha de São Tomé, para ração animal.

Os ambientalistas acusaram o Governo são-tomense de ter autorizado a plantação de milho transgénico (geneticamente modificado para resistir a doenças ou espécies invasoras), mas o executivo desmentiu essa informação, reafirmando que se trata de milho híbrido e que o cultivo não passa de um teste.

"Os especialistas dizem que um híbrido também pode ser transgénico. O nosso ministro da Agricultura, Teodorico Campos, veio dizer que milho não tem perigo nenhum, mas ele próprio não sabe, porque não foi feito nenhum estudo de impacto ambiental", disse Elsa Garrido, em declarações à Lusa na quinta-feira.

A ativista disse também que as autoridades são-tomenses não fizeram um estudo prévio ou um relatório de avaliação de riscos, nem fizeram qualquer comunicação à população.

O Presidente são-tomense, que começou na segunda-feira uma visita de uma semana a Portugal, considerou que a sua conterrânea "tem o direito de fazer a sua reivindicação" e acrescentou que técnicos são-tomenses estão a analisar esta questão, devendo pronunciar-se "em breve".

Elsa Garrido disse que as pessoas em São Tomé estão desinformadas e assegurou que os técnicos, os engenheiros e os jornalistas são-tomenses têm medo de falar sobre o caso.

"O cidadão está a ser silenciado com meios tão severos como se estivéssemos numa ditadura. Os técnicos têm medo de falar e perder o emprego, os engenheiros têm medo de falar e até os jornalistas em São Tomé têm medo de falar. Da questão do milho passou-se ao direito cívico à informação", disse.

A ativista disse que vai manter o protesto até o Governo "declarar a abertura de debates públicos em São Tomé [sobre o milho transgénico]".

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

Pub
Pub