ENTREVISTA: BP quer ter 500 postos de abastecimento em Portugal no próximo ano

A BP Portugal quer ter 500 postos de abastecimento até março de 2020, mais 50 do que a rede da petrolífera britânica conta atualmente, e mantém interesse na aquisição da Prio, disse à agência Lusa o presidente executivo.

"Continuamos a olhar para 500 postos de venda em Portugal, sem ser uma obsessão, [...] até final deste ano, meados do primeiro semestre de 2020", afirmou Pedro Oliveira em entrevista à agência Lusa, adiantando que a BP Portugal tem "uma operação muito rentável e muito sustentável" e, por isso, "tem músculo financeiro para olhar novas oportunidades".

À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, a expansão da rede acontecerá "por via de aquisições, abandeiramentos e construções novas sempre que se justificar", porque, apesar do "mercado estar relativamente saturado em termos de postos de venda, [...] continuam a existir áreas onde é pertinente fazer investimento do ponto de vista de rede", explicou.

"Infelizmente, há muito menos oportunidades para erguer novos postos num mercado que está saturado", declarou o presidente da BP Portugal.

Sobre o interesse já manifestado na aquisição da gasolineira portuguesa Prio, gerida pelo fundo de reestruturação Oxy Capital, Pedro Oliveira afirmou que se mantém: "Nós, como operador de referência, não nos podemos permitir não olhar seriamente para um ativo estruturante no mercado".

"Uma vez que esteja formalmente à venda naturalmente gostaríamos de olhar para essa oportunidade", acrescentou.

Segundo o responsável, os resultados operacionais da empresa em 2018 melhoraram face ao ano anterior, altura em que atingiram os 21 milhões de euros (4% acima de 2016), com crescimento em todos os segmentos de negócio, nomeadamente aviação, marinha, lubrificantes e na rede de retalho.

"Vamos apresentar contas com a mesma tendência, sólida e sustentável. Estamos a crescer em todos os segmentos de negócio [...] e as contas de 2018 vão refletir isso. Estamos muito satisfeitos por estar em forma", acrescentou, referindo que no último ano a BP conseguiu "renovar contratos absolutamente estruturais de longo prazo em Portugal", como a concessão do Aeródromo de Tires, as áreas de serviço na A1 (Mealhada e Santarém) por 17 anos, e ganhou um contrato de 20 anos na área de serviço de Seixal.

O também diretor da rede de retalho em Espanha, desde final de 2016, considera que o mercado espanhol, onde a BP conta 760 postos de abastecimento, continua a ter grande potencial de crescimento.

"Em dois anos somámos 140 postos à rede. Fizemos agora uma aquisição de uma rede de 65 postos. Os resultados estão aí e não vamos parar por aqui. Nestes dois países somos claramente a última grande multinacional com presença global neste setor, o que é claramente um vantagem competitiva. Temos essa herança histórica, essa credibilidade e o mercado tem reagido positivamente", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.