ENTREVISTA: BP quer ter 500 postos de abastecimento em Portugal no próximo ano

A BP Portugal quer ter 500 postos de abastecimento até março de 2020, mais 50 do que a rede da petrolífera britânica conta atualmente, e mantém interesse na aquisição da Prio, disse à agência Lusa o presidente executivo.

"Continuamos a olhar para 500 postos de venda em Portugal, sem ser uma obsessão, [...] até final deste ano, meados do primeiro semestre de 2020", afirmou Pedro Oliveira em entrevista à agência Lusa, adiantando que a BP Portugal tem "uma operação muito rentável e muito sustentável" e, por isso, "tem músculo financeiro para olhar novas oportunidades".

À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, a expansão da rede acontecerá "por via de aquisições, abandeiramentos e construções novas sempre que se justificar", porque, apesar do "mercado estar relativamente saturado em termos de postos de venda, [...] continuam a existir áreas onde é pertinente fazer investimento do ponto de vista de rede", explicou.

"Infelizmente, há muito menos oportunidades para erguer novos postos num mercado que está saturado", declarou o presidente da BP Portugal.

Sobre o interesse já manifestado na aquisição da gasolineira portuguesa Prio, gerida pelo fundo de reestruturação Oxy Capital, Pedro Oliveira afirmou que se mantém: "Nós, como operador de referência, não nos podemos permitir não olhar seriamente para um ativo estruturante no mercado".

"Uma vez que esteja formalmente à venda naturalmente gostaríamos de olhar para essa oportunidade", acrescentou.

Segundo o responsável, os resultados operacionais da empresa em 2018 melhoraram face ao ano anterior, altura em que atingiram os 21 milhões de euros (4% acima de 2016), com crescimento em todos os segmentos de negócio, nomeadamente aviação, marinha, lubrificantes e na rede de retalho.

"Vamos apresentar contas com a mesma tendência, sólida e sustentável. Estamos a crescer em todos os segmentos de negócio [...] e as contas de 2018 vão refletir isso. Estamos muito satisfeitos por estar em forma", acrescentou, referindo que no último ano a BP conseguiu "renovar contratos absolutamente estruturais de longo prazo em Portugal", como a concessão do Aeródromo de Tires, as áreas de serviço na A1 (Mealhada e Santarém) por 17 anos, e ganhou um contrato de 20 anos na área de serviço de Seixal.

O também diretor da rede de retalho em Espanha, desde final de 2016, considera que o mercado espanhol, onde a BP conta 760 postos de abastecimento, continua a ter grande potencial de crescimento.

"Em dois anos somámos 140 postos à rede. Fizemos agora uma aquisição de uma rede de 65 postos. Os resultados estão aí e não vamos parar por aqui. Nestes dois países somos claramente a última grande multinacional com presença global neste setor, o que é claramente um vantagem competitiva. Temos essa herança histórica, essa credibilidade e o mercado tem reagido positivamente", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.