Entidades falam de calamidade causada pela vespa do castanheiro em Vinhais

A Câmara de Vinhais e os partidos da oposição pediram hoje a intervenção do Governo face à "calamidade" causada pela infestação da vespa-das-galhas-do-castanheiro naquele que o um dos maiores produtores de castanha de Portugal.

O executivo socialista da Câmara de Vinhais pede ao Governo uma atuação conjunta para combater a praga e apoio aos produtores para os prejuízos económicos e a candidatura da coligação PSD/CDS-PP reclama que seja declarado o "estado de calamidade".

Vinhais é responsável por dez das cerca de 40 mil toneladas de produção nacional de castanha que equivalem a uma faturação anual "entre 15 a 20 milhões de euros" neste concelho do distrito de Bragança.

As entidades locais temem consequências idênticas às registadas noutros produtores europeus onde esta praga arrasou 80% da produção de castanha.

O vice-presidente da Câmara e candidato do PS às autárquicas, Luís Fernandes, disse à Lusa que a infestação "está a atingir proporções muito grandes, sobretudos nas aldeias da zona da Lomba".

"Tem surgido em muita quantidade e já se espalhou por todos os soutos, mesmo nos castanheiros bravos e nos mais antigos", contou.

As entidades locais ainda estão a fazer o levantamento das zonas afetadas, mas só "na zona da Lomba foram contabilizados dois mil castanheiros contaminados", de acordo com o autarca.

A presença da vespa-das-galhas-do-castanheiro, que reduz o crescimento dos ramos e a frutificação, já foi detetada nos soutos de Vinhais em anos anteriores, mas, sobretudo em novas plantações, o que permitiu resolver o problema com o corte e queima dos ramos contaminados.

Esta operação tem sido realizada, nos últimos dois anos, pelas entidades locais, nomeadamente a Câmara Municipal e a associação florestal Arborea, e conseguido "controlar a praga".

Luís Fernandes contou à Lusa que este ano começaram a fazer o mesmo trabalho e depararam-se com um cenário em que o corte e queima dos ramos afetados já não é a solução.

A solução apontada pelos técnicos, segundo disse, terá de passar pela luta biológica com a largada de um parasitóide que ataca as vespas.

O vice-presidente da autarquia indiciou que "cada largada custa 200 euros" e que "vão ser necessárias muitas".

A Câmara Municipal "está disponível para colaborar na compra" que entende tem de ser integrada numa ação e plano que junte diversas entidades, nomeadamente o Ministério da Agricultura, a associação florestal, a Comunidade Intermunicipal das Terras de Trás-os-Montes e Instituto Politécnico de Bragança, uma das instituições de ensino superior envolvidas na investigação do parasitóide.

As entidades locais ainda não conseguem quantificar prejuízos, na medida em que não serão já visíveis na produção deste ano, como explicou Luís Fernandes que não tem dúvidas de que "atendendo à situação quase dramática como se está a expandir, vai ter consequências muito graves".

As comissões políticas do PSD e do CDS-PP de Vinhais, que apoiam a candidatura às Autárquicas liderada por Carlos Almendra, divulgaram hoje terem remetido uma missiva a sensibilizar o primeiro-ministro, o ministro da Agricultura e os deputados eleitos pelo círculo eleitoral de Bragança "para as consequências nefastas desta praga".

OS dois partidos realçam que "a castanha é a maior riqueza e ativo do concelho de Vinhais" e que o alastrar desta praga "está a deixar muitos produtores numa situação de verdadeiro desespero".

PSD e CDS-PP vincam ainda que um cenário idêntico de perda de produção na ordem dos 80%, como já aconteceu noutros países, "seria catastrófico" para o concelho de Vinhais.

"Face à gravidade e profundidade que esta praga já atingiu", reclamam que o Governo faça uma avaliação dos danos causados e que pondere "medidas profiláticas" e o decretar do "estado de calamidade pública para ser possível compensar os produtores de castanha através da concessão de apoios financeiros".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.