Ensemble de música medieval la Reverdie abre "Memórias Musicais no Palácio de Sintra"

O ensemble de música medieval La Reverdie abre hoje o ciclo "Reencontros -- Memórias Musicais no Palácio de Sintra", constituídos, maioritariamente, por repertório e intérpretes italianos.

"O Livro das Maravilhas -- Uma viagem musical pelas aventuras de Marco Polo" é o título do recital de hoje, na sala dos Cisnes do palácio, com um programa que visa "uma combinação exótica, contrapondo, aos instrumentos do Ocidente medieval, o 'kamancheh' persa e a tabla indiana", explicou o maestro Massimo Mazzeo, diretor artístico deste ciclo.

No sábado, o agrupamento de origem italiana de Claudia e Liavia Caffagni apresenta o programa "Carlos Magno -- Músicas para uma lenda", recital em que aborda as várias facetas de Carlos Magno (742-814), imperador dos Romanos e rei dos Lombardos e dos Francos e fundador da dinastia Carolíngia, que nos sete séculos seguintes dominou o xadrez político europeu.

Para o maestro Massimo Mazzeo, esta é uma "oportunidade de ouvir composições e histórias que têm Itália como ponto de irradiação, direto e indireto".

Referindo-se ao ciclo, Mazzeo afirma que tem por objetivo "dar voz a uma programação que terá de entrar mais a fundo naquela que é uma verdadeira 'geografia de sons', procurando recriar a unicidade do continente europeu: um caleidoscópio de culturas sempre em devir, um cruzamento de povos, estéticas e tradições".

No dia 08 de junho, a italiana Mara Galassi, que a organização deste ciclo apresenta como especialista em harpa renascentista, apresenta-se acompanhada pelo flautista português António Carrilho, pelo cravista italiano Enrico Baiano, que interpreta cravo e órgão positivo, e pelo violetista e tangedor espanhol Patxi Montero, que toca viola bastarda.

Os quatro músicos apresentarão o programa "Harmonia ao crepúsculo -- Um serão nos séculos XV e XVI".

A proposta é "transportar o espetador para um universo de sensações em ambiente cortesão, variando entre a alegria e o sofrimento, o amor e a inconstância, a virtude e o pecado".

Nos dias 16 e 17 de junho, os concertos são protagonizados pelo agrupamento coral De Labyrintho, dedicado ao repertório pré-barroco, em particular o repertório italiano da Renascença, que interpreta "Threnos -- As lamentações do profeta Jeremias", com obras de Marc'Antonio Ingegneri, Claudio Monteverdi, nascido há 450 anos, e "O sonho da Graça", para "a arte sublime" do flamengo Josquin Desprez.

"Reencontros -- Memórias musicais no Palácio de Sintra", uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra-Monte da Lua, que gere o palácio nacional, e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal, encerra a terceira temporada de música.

Esta temporada abriu no início de outubro do ano passado, no Palácio de Queluz, com as Noites de Queluz, e prosseguiu em março, no Palácio da Pena, com os "Serões Musicais".

Todos os concertos realizam-se na sala dos cisnes do Palácio da Vila, em Sintra, cuja fundação moura remonta ao século XI, sendo o "único paço real medieval português que chegou íntegro aos nossos dias", segundo a PSML.

No ano passado, este ciclo contou cerca de 620 espetadores, segundo dados da PSML.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.