ENI quer contratar serviços privados de "forças armadas" para Moçambique

Maputo, 10 jun 2019 (Lusa) - A companhia italiana ENI, que lidera um consórcio num projeto de gás natural em Moçambique, quer contratar serviços de "forças armadas" para a proteção da empresa e das suas instalações no território nacional, refere hoje um anúncio da petrolífera.

"Os serviços de segurança devem incluir, mas não se limitarem a equipas armadas de segurança pessoal e forças armadas locais", lê-se no anúncio.

O serviço deverá garantir proteção às instalações da ENI em Moçambique em terra e no mar, acrescenta.

A empresa contratada será responsável pela proteção dos interesses da ENI na província de Cabo Delgado, onde a empresa lidera um consórcio que vai desenvolver um projeto de produção de Gás Natural Liquefeito (GNL) a partir de uma plataforma flutuante.

Os serviços de segurança serão estendidos aos escritórios da empresa nas províncias de Maputo, sul, e Nampula, norte.

"Os serviços serão indicativamente necessários a partir do início de 2020 por um período de três anos, com a possibilidade de extensão por um período de um ano", lê-se no texto.

Em março, o presidente executivo da ENI, Claudio Descalzi, disse à Lusa que a produção de gás no campo petrolífero Mamba, no norte de Moçambique, deve começar até 2024, uma vez que a Exxon, parceira do projeto, deverá tomar a decisão final de investimento a seguir ao verão.

Além do consórcio da ENI, a bacia do Rovuma conta também com um projeto de GNL do consórcio dirigido pela norte-americana Anadarko, que vai anunciar a decisão final de investimento na próxima semana, em Maputo.

Alguns distritos próximos das áreas de infraestruturas das multinacionais envolvidas nos projetos de gás natural em Cabo Delgado têm sido alvo de ataques armados por parte de grupos desconhecidos, desde outubro de 2017.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.