Engenheiros de Língua Portuguesa reunidos hoje em Maputo

Profissionais de países lusófonos reúnem-se hoje e quinta-feira em Maputo para o 3.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa (CELP), dedicado às implicações das alterações climáticas.

"A ideia é criar um debate entre intervenientes desta área de países falantes de língua portuguesa, tendo como principal ponto a questão das mudanças climáticas", disse à Lusa Feliciano Dias, vice-presidente da Ordem dos Engenheiros de Moçambique.

A organização está a cargo da ordem moçambicana e da congénere de Portugal.

O encontro pretende ainda "promover o contacto direto entre as entidades responsáveis pelo desenvolvimento das políticas públicas nos vários países, de modo a potenciar sinergias e a fomentar contactos multilaterais", referem os organizadores em comunicado.

O congresso avança para a terceira edição com a ambição de se consolidar como plataforma de comunicação da engenharia no âmbito dos países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Os mercados lusófonos vão ser escrutinados para análise sobre "setores económicos nacionais e realidades socioeconómicas, assim como para revelar as oportunidades de negócios para os engenheiros e empresas de engenharia".

Além das alterações climáticas, vão estar em debate os recursos naturais, nomeadamente, petróleo, gás e minério, três das principais fontes de riqueza de Moçambique.

O primeiro congresso realizou-se em 2012, em Lisboa, e o segundo em Macau, em 2014.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.