Ença Fati regressa à Oliveirense por empréstimo do Moreirense

O avançado Ença Fati está de regresso à Oliveirense, novamente por empréstimo, depois de na temporada passada ter sido cedido pelo Moreirense ao clube da II Liga portuguesa de futebol.

O extremo de 24 anos atuou pela equipa de Miguel Leal na última metade da temporada passada, pela qual atuou em 13 ocasiões, apontando dois golos, tal como indica a nota publicada no sítio oficial da Oliveirense.

"Para mim é muito bom regressar à Oliveirense. Sinto-me bem aqui e fui muito bem-recebido e tratado. O grupo de trabalho é muito bom e gosto muito da forma de jogar da equipa. Espero acrescentar valor e ajudar a cumprir os objetivos", afirmou o jogador.

Os oliveirenses começam a II Liga no sábado, diante da Académica, no Estádio Municipal de Aveiro (18:00), depois de já terem sido eliminados na segunda fase da Taça da Liga, após serem derrotados pelo Belenenses, por 3-1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.