Ença Fati regressa à Oliveirense por empréstimo do Moreirense

O avançado Ença Fati está de regresso à Oliveirense, novamente por empréstimo, depois de na temporada passada ter sido cedido pelo Moreirense ao clube da II Liga portuguesa de futebol.

O extremo de 24 anos atuou pela equipa de Miguel Leal na última metade da temporada passada, pela qual atuou em 13 ocasiões, apontando dois golos, tal como indica a nota publicada no sítio oficial da Oliveirense.

"Para mim é muito bom regressar à Oliveirense. Sinto-me bem aqui e fui muito bem-recebido e tratado. O grupo de trabalho é muito bom e gosto muito da forma de jogar da equipa. Espero acrescentar valor e ajudar a cumprir os objetivos", afirmou o jogador.

Os oliveirenses começam a II Liga no sábado, diante da Académica, no Estádio Municipal de Aveiro (18:00), depois de já terem sido eliminados na segunda fase da Taça da Liga, após serem derrotados pelo Belenenses, por 3-1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.