Empresas transportadoras e ambientalistas juntos por menos emissões de camiões

Ambientalistas e transportadoras rodoviárias juntaram-se hoje para exigir à Comissão Europeia medidas para reduzir em quase um quarto as emissões poluentes dos transportes pesados até 2025.

Numa carta dirigida ao presidente do executivo europeu, Jean-Claude Juncker, 36 associações ambientalistas, associações de empresas de transporte e empresas de outros ramos pedem que seja apresentada já em maio uma proposta "mais ambiciosa" para a redução das emissões de dióxido de carbono dos camiões.

A meta para 2025 deve ser uma descida de 24 por cento dessas emissões, o que resultaria numa poupança de 7.700 euros por camião, defendem os signatários, que incluem as portuguesas Quercus e Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram).

Apontam o setor dos transportes como responsável por 27% das emissões carbónicas da União Europeia e os pesados como fonte de 26% das emissões do transporte rodoviário.

"Para cumprir as metas do Acordo de Paris, o setor dos transportes precisa de reduzir as suas emissões para zero, até 2050 e, embora já exista tecnologia de emissões zero para camiões, o seu fornecimento é ainda limitado e apresenta custos elevados", assinalam.

Na proposta sobre eficiência de combustível para camiões, que deve sair no dia 16 de maio, pedem que seja definido um objetivo mínimo para os fabricantes venderem camiões com zero emissões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.