Empresas portuguesas em Angola já pensam no mercado da África Austral - governante

Várias empresas portuguesas estão fortemente empenhadas em investir em Angola e já têm uma visão que ultrapassa o mercado angolano, aguardando que se criem condições para avançar para a África Austral, disse hoje o secretário de Estado da Economia português.

Em Luanda desde quarta-feira, onde participou na segunda reunião do Observatório de Investimento Luso-Angolano, João Neves, num balanço à visita, destacou ser esse um ponto "muito importante" na evolução do empresariado português em Angola, mas desde que estejam criadas boas condições no ambiente de negócios.

"As empresas [portuguesas hoje visitadas em Luanda] transmitiram-me aquilo que me parece mais relevante do ponto de vista da mudança do papel de Angola na África Austral. As empresas que estão instaladas em Angola há duas dezenas de anos têm uma visão que já ultrapassa o mercado angolano", sublinhou João Neves.

"Se nós tivermos um bom ambiente de negócios em Angola, podemos também ajudar Angola na exportação de produtos para outros mercados limítrofes. Isto representa também uma enorme mudança em relação ao passado e no próprio comportamento das empresas portuguesas face a este mercado", acrescentou.

João Neves sugeriu que "as empresas mais conhecedoras e importantes" podem funcionar "como uma espécie de ponta-de-lança em iniciativas que outros, eventualmente, ainda não tenham condições de o fazer".

No entanto, tudo passará pela melhoria do ambiente de negócios em Angola, em que o Governo angolano "está a fazer um esforço enorme" nesse sentido, facto reconhecido pelas empresas portuguesas, que "compreendem" e "anseiam" pela continuação das reformas, disse.

Segundo o secretário de Estado da Economia português, a prioridade da cooperação de Portugal com Angola no setor económico passa justamente por apoiar as autoridades angolanas a aproximarem-se das novas tecnologias, ao licenciamento industrial e de empresas, e à definição de regras de comportamento da relação entre o Estado e os empresários.

"Isso é fundamental para que as empresas sintam confiança nas instituições. São áreas muito centradas neste ambiente de negócios", acentuou, afirmando aguardar que, durante a visita de Estado a Angola do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, de 05 a 09 de março, estes setores possam ser alvo da assinatura de protocolos de cooperação.

"As autoridades angolanas têm demonstrado muito interesse em trabalhar com as nossas instituições, nomeadamente com o IAPMEI e AICEP, na capacitação das instituições que eles próprios têm no terreno, no sentido de facilitar os negócios às empresas e vice-versa. Os protocolos são sempre o pontapé de saída e julgamos que temos todas as condições para que estes protocolos não sejam meras intenções", sublinhou.

Segundo João Neves, o Ministério da Economia português lembrou a Angola que tem uma "grande experiência" em torno de outros aspetos ligados à economia, como nas soluções de crédito e de garantia de crédito para o investimento, para capital de risco e para as 'start-up'.

"É também uma área que Angola gostaria de construir de forma diferente em relação ao passado e nós estamos abertos para colaborar", referiu.

Quanto às preocupações manifestadas pelo conjunto de empresários com quem se reuniu, João Neves salientou que, "curiosamente", não foram muito expressivas, para além do que é a compreensão de uma situação económica em geral difícil, pois conhecem o limite de acesso a divisas e isso é um aspeto comum a todos, sem que seja novidade.

"Os empresários reconhecem o esforço que as autoridades angolanas têm tido, quer na resolução de alguns problemas concretos, quer em melhorias no processo de desalfandegamento de mercadorias, reconhecem que há alterações que são positivas. Mas há ainda muito a melhorar para que o ambiente de negócios seja mais fácil, para que hajam investimentos mais fortes como Angola deseja", admitiu.

Segundo João Neves, há sintonia total dos governos angolano e português quanto à necessidade de "facilitar a vida das empresas", objetivos que o Observatório do Investimento Luso-Angolano está a alcançar, quer na melhoria de condições para o investimento português em Angola, quer o de angolanos em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.