Elisabete Jacinto pondera colocar um ponto final da carreira

A piloto portuguesa Elisabete Jacinto, que recentemente venceu a África Eco Race ao volante de um camião, anunciou hoje que vai fazer uma pausa nas competições para "perceber se há condições para continuar" a carreira.

A piloto admitiu que para continuar a competir necessita de "apoios maiores" que lhe possibilitem "evoluir a todos os níveis". Ainda assim, garantiu que não se dá por vencida e prometeu "estudar alternativas para se manter no ativo".

"A parte técnica é algo que exige um grande apoio, e para competir preciso que seja maior do que o que tenho neste momento. Levei até ao limite o trabalho de preparação técnica do meu camião. E quando se compete queremos estar sempre a evoluir. E neste momento, não sinto que, com estas condições, consiga evoluir", referiu a piloto à margem da apresentação no Porto do seu livro "Cem imagens. Algumas histórias".

Se, nos próximos meses, não surgirem soluções que permitam a Elisabete Jacinto continuar a competir ao nível que pretende, a piloto coloca mesmo a hipótese de terminar a carreira, apesar de se revelar pouco preparada para esse cenário.

"Foram muitos anos a competir. E sei que consegui deixar um bom exemplo. Os próximos meses serão de grandes decisões, vou bater a muitas portas à procura de um projeto que me permita fazer o que quero e da forma que me dá garantias de ir mais além. Não sei se me dou por vencida já", disse ainda.

Elisabete Jacinto admitiu, no entanto, que gostaria "muito de continuar a correr em camião" e que, por sua vontade, "a ideia seria continuar a competir". No entanto, garantiu que só o fará "se surgirem as tais condições".

"É melhor dar um passo atrás para depois tentar dar dois à frente. Em termos financeiros também temos tido grandes dificuldades. Não fazia sentido forçar uma coisa para a qual não tinha certeza que teria sucesso", esclareceu ainda.

Neste momento, o futuro da piloto portuguesa está incerto, e os próximos meses serão para "avaliar o que pode ser feito para continuar".

"Nada está definido. Vou fazer tudo para conseguir arranjar um projeto que me permita continuar mais algum tempo", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.