Eleições/RDCongo: Opositor Fayulu afirma-se como Presidente legítimo e pede protestos nacionais

O candidato classificado em segundo lugar nas eleições presidenciais da República Democrática do Congo (RDC), Martin Fayulu, apelou hoje a protestos em todo o país, depois do tribunal ter ratificado a vitória de Félix Tshisekedi.

"Apelo também a toda a comunidade internacional que não reconheça um poder que não tem legitimidade nem capacidade jurídica para representar o povo congolês", declarou Fayulu, afirmando-se como "o único Presidente legítimo" da RDC.

No sábado, o Tribunal Constitucional decretou Félix Tshisekedi Presidente do país, após rejeitar todos os recursos interpostos contra os resultados provisórios das eleições de 30 de dezembro.

Um passo que Martin Fayulu vê como a "confirmação" de que o tribunal "serve um regime ditatorial".

De acordo com a agência Associated Press, ao rejeitar os recursos, o Tribunal Constitucional ratificou a vitória de Félix Tshisekedi, que obteve cerca de 38,57% dos votos contra 34,86% do candidato do principal partido da oposição, Martin Fayulu, de acordo com os dados provisórios divulgados pelo Comité Eleitoral do país em 10 de janeiro.

Os resultados provisórios foram contestados por Fayulu, que, segundo dados recolhidos pelos cerca de 40.000 observadores da Conferência Nacional Episcopal do Congo (CENCO), foi o candidato mais votado, com 61% dos votos.

Fayulu, da União para a Democracia e o Progresso Social (UDPS), apresentou então uma queixa por fraude no Tribunal Constitucional.

Os resultados das eleições legislativas, realizadas no mesmo dia das presidenciais, deram uma larga maioria às forças favoráveis ao presidente cessante, Joseph Kabila (pelo menos 350 deputados em 500).

Tshisekedi, 55 anos, será o sucessor de Kabila, que preside aos destinos do país desde 2001.

O novo presidente da República Democrática do Congo toma posse na terça-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.