Egito mata 14 militantes e apreende uma tonelada de explosivos no norte do Sinai

As forças de segurança egípcias anunciaram hoje que mataram 14 militantes islâmicos e apreenderam uma tonelada de explosivos numa operação nos arredores da cidade de el-Arish, no norte da Península do Sinai.

De acordo com as autoridades do Egito, as mortes e a apreensão aconteceram no seguimento de uma ofensiva contra os militantes islâmicos em áreas desertas nos arredores da cidade de el-Arish.

O Egito anunciou tmambém que os extremistas planeavam colocar bombas na estrada que liga as cidades de Rafah e Sheikh Zuweyid.

O Exército egípcio tem combatido os terroristas do Estado Islâmico no norte do Sinai há anos, mas como a área está interdita a jornalistas, diplomatas e outros observadores, as informações não podem ser confirmadas de forma independente, nota a Associated Press.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.