Economia portuguesa voltou a apresentar capacidade de financiamento no final de 2017

A economia portuguesa voltou a apresentar capacidade de financiamento no final de 2017, como vem acontecendo desde final de 2012, divulgou hoje o Banco de Portugal, que justifica com a poupança financeira dos bancos e dos particulares.

"Em 2017, a economia portuguesa apresentou capacidade de financiamento, o que acontece desde o final de 2012. A capacidade de financiamento da economia portuguesa cifrou-se em 1,4 por cento do PIB" - produto interno Bruto, lê-se na nota de informação estatística sobre contas financeiras nacionais.

A capacidade de financiamento de 1,4% do PIB apresentada no último trimestre de 2017 é o mesmo valor registado nos segundo e terceiro trimestres do ano passado, mas abaixo dos 1,6% do PIB registados no final de 2016 (período homólogo)

Segundo o banco central, isto é resultado da poupança financeira das sociedades financeiras, em 4,1% do PIB, e dos particulares, em 1,5% por cento do PIB, enquanto apresentaram necessidades de financiamento as administrações públicas, 3% do PIB, e as sociedades não financeiras (bancos), 1,3% do PIB.

O Banco de Portugal diz ainda que, face a 2016, houve um agravamento das necessidades de financiamento das administrações públicas e das sociedades não financeiras, de um ponto percentual em cada caso.

Nos particulares a capacidade de financiamento reduziu-se em 0,5 pontos percentuais.

Já as sociedades financeiras aumentaram a capacidade de financiamento em 2,2 pontos percentuais.

As contas financeiras nacionais evidenciam o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos.

Sem esta operação de aumento de capital do banco público, a necessidade de financiamento das administrações públicas teria sido menor, de 0,9% do PIB, e a capacidade de financiamento das sociedades financeiras seria de 2% do PIB.

O banco central termina a afirmar que "a economia portuguesa apresentava, no final de 2017, uma posição financeira líquida face ao resto do mundo de -105,7% do PIB, que compara com -106,1 por cento do PIB no final de 2016".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?