Economia petrolífera de Angola vai ter recessão acima de 10% no útlimo trimestre de 2018 - BFA

O gabinete de estudos do Banco Fomento Angola considera que a economia petrolífera de Angola vai "seguramente" ter uma quebra acima de 10% no último trimestre de 2018, mantendo o país novamente em recessão económica.

"No caso da economia petrolífera, os dados existentes das exportações permitem antecipar uma quebra anual em torno dos 10%, com o último trimestre do ano a apresentar uma quebra homóloga seguramente superior a esta percentagem", lê-se na nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso.

No comentário semanal à economia angolana, o BFA vinca que os números apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística de Angola, na semana passada, fazem com que a perspetiva económica sobre 2018 seja melhor, mas ainda negativa.

"Os dados anteriores sofreram uma revisão significativa; as quebras homólogas no primeiro e segundo trimestre de 2018 passaram, respetivamente, de 4,7% para 2,2%, e de 7,4% para 4,5%", dizem, vincando que "os números anteriores do INE configuravam uma quebra homóloga de 6% na primeira metade do ano, tornando bastante provável uma recessão pior do que a em 2016", quando a economia caiu 2,6%".

Assim, apontam, "no cenário atual, este é ainda um cenário possível, mas não é uma certeza", já que a revisão dos números aponta agora para um crescimento negativo de 1,6% no terceiro trimestre do ano passado, face ao mesmo período de 2017, que faz com que, "no acumulado dos primeiros 9 meses do ano, o PIB tenha diminuído 2,7%".

No caso do petróleo, dizem os analistas, "as exportações registaram uma média de 1,47 milhões de barris diários (mbd) em 2018, o que é consistente com um nível de produção em torno dos 1,51 mbd", mas há incertezas nos restantes setores da economia angolana.

"Porém, no caso da economia não-petrolífera, reina alguma incerteza, por vários fatores, sendo o principal as constantes revisões significativas dos números por parte do INE (e alguns dados inconsistentes), que dificultam bastante a análise", apontam, concluindo que "será importante verificar a evolução do Comércio e Construção (que juntos representam mais de 22% do PIB), que voltaram a crescer em termos homólogos entre julho e setembro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.