Ébola: Número de mortos na RDCongo sobe para 92 - OMS

O número de mortos causados pelo surto de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo) subiu para 92, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que apontou para 137 casos de contágio no país.

A confirmação da primeira morte por Ébola numa grande cidade (Butembo, no nordeste do país), na semana passada, alarmou as autoridades, que relataram à OMS três mortes e seis casos de contágio naquele núcleo urbano.

A Unicef anunciou a abertura de um centro de atendimento especializado no Ébola em Butembo, com um milhão de habitantes e grande atividade comercial, algo que pode catalisar a propagação do vírus.

A OMS considera que se fez um "bom progresso" na contenção da doença, mas que existem riscos associados à resistência da população em seguir as indicações das autoridades de saúde.

O último surto da estirpe Zaire - a mais mortal do vírus - foi declarado no dia 01 de agosto e afetou as províncias de Kivu do Norte e Ituri.

A atuação dos serviços de saúde nestas duas províncias tem sido afetada pela violência armada entre rebeldes.

O porta-voz da OMS em Genebra, Tarij Jasaveric, salientou que desde o início deste surto foram vacinadas 8.900 pessoas, entre as quais mais de 2.000 crianças.

As autoridades seguem mais de perto os familiares de doentes, que se podem contagiar ao não seguir os protocolos de proteção.

"É por isso que informar as comunidades é fundamental", comentou Jasarevic.

Cerca de 1.700 pessoas estão sob vigilância diária para a deteção de sintomas precoces da febre hemorrágica do Ébola, depois de terem estado em contacto com contaminados.

O porta-voz acrescentou que foram reportados casos em zonas de conflito e de acesso limitado.

Para trabalhar nessas áreas, os especialistas têm tido o apoio das forças de paz das Nações Unidas, que permitiu aceder a todos os locais pretendidos, ainda que com alguma demora.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.