Ébola: Número de mortos na RDCongo sobe para 92 - OMS

O número de mortos causados pelo surto de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo) subiu para 92, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), que apontou para 137 casos de contágio no país.

A confirmação da primeira morte por Ébola numa grande cidade (Butembo, no nordeste do país), na semana passada, alarmou as autoridades, que relataram à OMS três mortes e seis casos de contágio naquele núcleo urbano.

A Unicef anunciou a abertura de um centro de atendimento especializado no Ébola em Butembo, com um milhão de habitantes e grande atividade comercial, algo que pode catalisar a propagação do vírus.

A OMS considera que se fez um "bom progresso" na contenção da doença, mas que existem riscos associados à resistência da população em seguir as indicações das autoridades de saúde.

O último surto da estirpe Zaire - a mais mortal do vírus - foi declarado no dia 01 de agosto e afetou as províncias de Kivu do Norte e Ituri.

A atuação dos serviços de saúde nestas duas províncias tem sido afetada pela violência armada entre rebeldes.

O porta-voz da OMS em Genebra, Tarij Jasaveric, salientou que desde o início deste surto foram vacinadas 8.900 pessoas, entre as quais mais de 2.000 crianças.

As autoridades seguem mais de perto os familiares de doentes, que se podem contagiar ao não seguir os protocolos de proteção.

"É por isso que informar as comunidades é fundamental", comentou Jasarevic.

Cerca de 1.700 pessoas estão sob vigilância diária para a deteção de sintomas precoces da febre hemorrágica do Ébola, depois de terem estado em contacto com contaminados.

O porta-voz acrescentou que foram reportados casos em zonas de conflito e de acesso limitado.

Para trabalhar nessas áreas, os especialistas têm tido o apoio das forças de paz das Nações Unidas, que permitiu aceder a todos os locais pretendidos, ainda que com alguma demora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.