Doze "agentes especiais" do 'Instagram' mostram Viana do Castelo ao mundo

Doze 'instagramers' de três países vão fotografar e mostrar ao mundo, através de 800 mil seguidores daquela rede social, o "potencial" de Viana do Castelo, no primeiro evento do género realizado em Portugal, disse hoje um dos organizadores.

"É quase uma missão impossível. Escolhemos os melhores, que são os agentes especiais que vão mostrar Viana do Castelo ao mundo, através da fotografia, de uma visão muito particular. Viana do Castelo é uma cidade com muito potencial e este evento vai ser uma espécie de ensaio geral, como se de um espetáculo em palco se tratasse", explicou à Lusa Luís Octávio Costa.

O Viana Winter Adventure, vai decorrer durante três dias, juntando nove dos principais 'instagramers' portugueses, dois espanhóis e um sueco, entre eles jornalistas, designers e arquitetos.

Juntos têm 800 mil seguidores na rede social 'Instagram' e podem "transformar Viana, cidade que vive do verão, num destino apetecível no inverno".

O evento, que conta com o apoio da câmara municipal e do hotel FeelViana, pretende ser "o início de uma grande aventura", noutros locais do país e do mundo".

Entre os dias 19 e 21 de janeiro, os 12 'instagramers' vão percorrer "um itinerário que valoriza o património histórico, cultural, paisagístico, gastronómico, etnográfico e humano" de Viana do Castelo, a comemorar 170 anos de elevação a cidade.

"Tudo será fotografado de 12 formas distintas por 12 olhares singulares. O Teatro Municipal Sá de Miranda vai abrir só para os 'instagramers', vamos fazer foto à la minute, um passeio de bicicleta no Cabedelo, reinventar tradições como a dos cabeçudos, visitar o ateliê de escultura de Iva Viana, o clube náutico as ruas antigas do centro histórico e a Montaria", explicou Luis Octávio Costa, natural de Viana do Castelo.

"Há muito tempo que sentia a vontade, o impulso de voltar a Viana. Há vários anos que participo em eventos do 'Instagram' e achei que estava na altura de dar um salto qualitativo na organização destes eventos em Portugal", explicou.

O Viana Winter Adventure é organizado por dois jornalistas, Rui Batista da agência Lusa e Luís Octávio Costa do jornal Público, e o designer João Bernardino. Em comum, têm "a vontade de explorar, registar experiências e de as partilhar com todos os que sabem que há um mundo lá fora".

"É uma ideia que nos une há muito tempo, a necessidade de explorar o mundo, o que está ao nosso lado ou no mundo e mostrar aos outros através da fotografia. Esta é uma ideia mais global, mostrar destinos, mostrar Portugal através da fotografia", adiantou.

Os 'instagramers' locarl, diogolage, jpaulopimenta, alexcoelholima, jessica_reis, marchi3003, teresacfreitas, martanferreira, mctoro_o, são os convidados do evento, que está a ser divulgado numa página na Internet criada para o feito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.