Douglas diz que exibição com o FC Porto foi das melhores no Vitória de Guimarães

O guarda-redes Douglas, do Vitória de Guimarães, admitiu hoje que a exibição no triunfo sobre o FC Porto (3-2), na terceira jornada da I Liga portuguesa de futebol, foi uma das duas melhores que fez pelo clube minhoto.

Contratado aos brasileiros do Santos, na época 2010/11, o guardião, de 35 anos, é o elemento mais antigo do plantel vitoriano e reconheceu que a exibição no Estádio do Dragão, com três defesas que seguraram o triunfo nos minutos finais, só é comparável à que valeu o triunfo sobre o Sporting de Braga, nos quartos de final da Taça de Portugal, em 2012/13 (2-1, após prolongamento).

"Esta [exibição], juntamente com uma que eu fiz contra o Braga, para a Taça de Portugal, foi a mais bem conseguida a nível individual, sendo que o resultado também foi favorável", assumiu o guarda-redes com 179 jogos oficiais realizados ao serviço dos vimaranenses.

Douglas realçou ainda que a exibição frente aos 'azuis e brancos' o deixou com uma "alegria grande", já que pôde "ajudar a equipa" a ganhar num "momento crucial do jogo".

"Foi uma sensação muito boa. Espero que possa continuar ao longo da época", acrescentou.

O triunfo sobre o FC Porto também permitiu à equipa treinada por Luís Castro inverter a série de três derrotas seguidas nos primeiros três encontros oficiais da época e iniciar um ciclo de duas vitórias seguidas - a equipa derrotou, posteriormente, o Tondela (1-0) - até à interrupção competitiva em curso.

Já arredada da Taça da Liga, a equipa minhota só regressa à competição em 23 de setembro, com a deslocação ao terreno do Portimonense (quinta jornada da I Liga), e, segundo Douglas, quer aproveitar a paragem para "dar seguimento" ao ciclo vitorioso, sempre com os 'olhos' na Liga Europa, objetivo traçado no início da época.

"O campeonato é longo. Vamos perder jogos, mas o objetivo é perder o mínimo possível. A luta [pela Europa], todos os anos, é difícil. E o Vitória tem de ultrapassar essa dificuldade, para, no final, alcançar o lugar europeu", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.