Dois detidos e dois feridos durante protestos na cidade brasileira de São Paulo

Pelo menos duas pessoas foram detidas e outras duas ficaram feridas hoje, depois de um confronto entre manifestantes e polícias em protestos contra o aumento do preço dos transportes públicos no estado brasileiro de São Paulo.

Pelas 18:10 locais (mais duas em Lisboa), a polícia militar começou a posicionar-se em torno dos manifestantes que se concentravam na emblemática avenida Paulista.

Quando os manifestantes tentaram romper o bloqueio policial, deu-se o confronto com os agentes de segurança.

Na tentativa de conter as centenas de manifestantes que se aglomeraram na principal avenida de São Paulo, a polícia começou a disparar gás lacrimogéneo e munições não letais contra o grupo, assim como contra jornalistas que trabalhavam no local.

Apesar da ação policial, a marcha, convocada pelo Movimento Passe Livre (MPL), seguiu pacificamente para o centro da cidade, onde os participantes, com cartazes na mão, entoaram cânticos a favor dos bilhetes gratuitos em transportes públicos e contra o novo governador do Estado de São Paulo, João Doria.

Esta é a segunda manifestação convocada desde o início do ano pelo MPL, contra o aumento de 30 centavos de real (cerca de 30 cêntimos), para este ano, nos bilhetes de comboio, metro e autocarro na capital paulista.

Com o aumento, a tarifa de transportes públicos passou a ter o custo de 4,30 reais (cerca de um euro).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.