Documentário do cineasta Ivan Dias testemunha presença portuguesa em Goa

O cineasta Ivan Dias, autor do documentário "Azulejos de Goa", que é apresentado na quinta-feira, no Museu do Fado, em Lisboa, com um CD fados e 'mandós', disse que "é conhecendo Goa que os portugueses se reconhecem".

O realizador falava à agência Lusa sobre o documentário "Azulejos de Goa", no qual aborda o trabalho artístico de Orlando de Noronha, "e através dos seus azulejos conta-se a história de seu pai, Fernando de Noronha, que foi sempre um defensor da portugalidade" naquele território, que passou a fazer pare da Índia em 19 de dezembro de 1961.

O DVD é apresentado numa edição 'digipack', que inclui um CD, "Fandóziando -- Fados, Mandós e Fantasias", constituído por sete fados, sete 'mandós', um dos géneros da música tradicional goesa, "em que se nota a influência das toadas portuguesas", e ainda quatro outras composições, as quais denominaram "fantasias".

"O 'mandó' é assim algo que nem os locais conseguem bem definir, por ser uma valsa 'descompassada' que está intrinsecamente ligada à ideia que o povo que acolheu a nossa música fez dela", explicou.

No Museu do Fado, a partir das 18:00, na apresentação do DVD e do CD, atua um grupo de músicos constituído pelos goeses Óscar do Rosário (viola) e Orlando de Noronha (violino), e os portugueses Henrique Vieira (viola) e Manuel Rocha (violino).

Sobre o DVD, Ivan Dias disse que é inspirado na história de Fernando de Noronha, pai de Orlando de Noronha, autor de azulejos e violinista, de quem Ivan Dias é amigo há 25 anos, desde os tempos da universidade, em Coimbra.

Fernando de Noronha "foi sempre um defensor da portugalidade" em Goa, disse.

"Orlando de Noronha, que também é violinista, fez parte da secção de fado da Associação Académica da Universidade de Coimbra, onde eu o conheci, e contou-me como seu pai [Fernando de Noronha] foi um dos últimos baluartes da defesa da portugalidade em Goa, da língua, da cultura e da religião, o que foi corroborado por muita gente de Goa, que fui conhecendo", contou.

"Quando entraram as tropas indianas [em 1961] muita gente referia-se à 'libertação', e Fernando de Noronha chamou sempre 'invasão', e eu achei que era essa história que queria contar através dos azulejos que o filho faz", disse Ivan Dias.

Este é o terceiro trabalho que Ivan Dias faz em Goa, "desta vez para contar, através dos azulejos que o Orlando faz, como se fossem pequenos mosaicos para contar a história do pai dele nesta defesa da manutenção da cultura portuguesa", naquele Estado indiano.

O realizador realçou que a questão da presença portuguesa em Goa, se tornou "mais evidente" desde a visita do primeiro-ministro, António Costa, ao território, em janeiro do ano passado.

Desde então, "toda esta portugalidade teve algum direito a respirar outra vez, ao fim destes anos todos", e "esta história passou a fazer sentido, porque há uma abertura a Portugal completamente diferente, e viveu-se Goa de uma outra forma", disse o cineasta, autor, entre outros, do documentário "Um Homem no Mundo", sobre o fadista Carlos do Carmo.

O DVD e o CD, que levaram um mês a realizar em Goa, em dezembro de 2017, são dedicados a S. Francisco Xavier, patrono de Goa, disse o cineasta, referindo que o 'digipack', por intermédio do diplomata espanhol Ion de la Riva, foi já entregue ao papa Francisco.

"Como Goa tem os pássaros mais bonitos e cantores de toda a Índia, até incluímos algumas gravações deles, e escolhemos os pássaros, representados numa 'pashmina' indiana [pano tradicional]", rematou o cineasta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.