Diretor-adjunto do FMI manifesta em Cabo Verde apoio às reformas do Governo

Praia, 15 mai 2019 (Lusa) -- O diretor-adjunto do Fundo Monetário Internacional (FMI), Tao Zhang, manifestou hoje o apoio ao esforço do Governo cabo-verdiano na implementação das reformas com vista ao crescimento da economia do país.

Tao Zhang falava na cidade da Praia, durante uma conferência de imprensa sobre a visita oficial que está a realizar a Cabo Verde, onde manteve vários encontros, nomeadamente com o Presidente da República e o primeiro-ministro cabo-verdianos.

Começando por elogiar os indicadores económicos do país, que são muito melhores do que os dos seus pares, Tao Zhang reconheceu que "muito mais será necessário fazer, não só reformas estruturais, como para garantir um desenvolvimento económico mais sustentável".

"Há desafios que ainda precisam de ser ultrapassados, com vista à proteção dos mais vulneráveis e para reduzir os níveis da pobreza", disse Tao Zhang, que vai estar em Cabo Verde até sábado.

Segundo afirmou, o FMI apoia as reformas que o Governo cabo-verdiano se comprometeu a implementar, nomeadamente ao nível das finanças públicas, do setor empresarial do Estado e de melhoria do ambiente de negócios.

"O FMI compromete-se a trabalhar com o país neste empenhamento", reforçou, sublinhando o "bom relacionamento" da instituição com Cabo Verde.

Por seu lado, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, lembrou que o executivo e o FMI têm tido "um diálogo permanente" e que, atualmente, o país não necessita de qualquer apoio financeiro da parte da instituição, mas antes apoio às reformas em curso.

Olavo Correia recordou ainda que é intenção do Governo duplicar numa década o rendimento per capita e promover um crescimento da economia superior a 7%, objetivos para as quais disse contar com o apoio do FMI.

A este propósito, o governante explicou que o principal foco do executivo é a redução da dívida pública, a qual, segundo as perspetivas económicas do FMI, se situa nos 120,9%. Uma meta para a qual o Governo cabo-verdiano espera contar com o apoio do FMI.

A última missão do FMI a Cabo Verde realizou-se em março, quando o chefe da missão da instituição, Kabediy Mbuyi, considerou que o Governo deve continuar a implementar reformas que promovam o setor privado, a criação de emprego e a redução da desigualdade social.

Então, Kabediy Mbuyi defendeu que o executivo deve apostar em medidas que contribuam para a arrecadação de mais impostos e redução das despesas públicas.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.