Direitos humanos: ONG alerta para incerteza sobre residentes no Reino Unido e UE após 'Brexit'

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch alerta, no seu relatório anual, para a incerteza na salvaguarda dos direitos dos residentes europeus no Reino Unido e dos cidadãos britânicos que vivam na União Europeia após o 'Brexit'.

No "Human Rights Watch World Report 2019", esta ONG realça que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) "dominou as discussões públicas e ofuscou outras preocupações prementes" nos últimos meses, entre as quais a do "respeito pelos direitos dos cidadãos" no processo.

Assim, apesar de haver um compromisso preliminar entre a UE e o parlamento britânico sobre um período de transição após a saída e "que inclui a salvaguarda dos direitos" dos residentes, a Human Rights Watch (HRW) avisa que poderá haver "riscos" no cumprimento desta regra, devido à "incerteza quanto a quais serão os [futuros] direitos de residência dos cidadãos europeus no Reino Unido e dos cidadãos britânicos em países da UE após o 'Brexit'".

Em causa estava o acordo de saída conseguido no final do ano passado entre os 27 Estados-membros e o Reino Unido, documento esse que foi, porém, reprovado na terça-feira à noite pela Câmara dos Comuns.

O parlamento britânico reprovou, de forma expressiva, o acordo de saída do Reino Unido da UE negociado pelo Governo da primeira-ministra Theresa May com Bruxelas, com 432 votos contra e 202 a favor.

Uma desvantagem de 230 votos, sendo que 118 dos votos contra foram de deputados do próprio partido Conservador da primeira-ministra Theresa May.

O Reino Unido deveria deixar a União Europeia em março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016, que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Porém, com o chumbo desta semana - já esperado por políticos, imprensa e analistas e que acontece a dois meses e meio da data prevista para a saída -, o processo fica com um futuro incerto.

Numa reação após ser conhecido o resultado da votação, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lamentou a rejeição do acordo de saída do Reino Unido da UE pelo parlamento britânico, advertindo que "o risco de uma saída desordenada aumentou", pelo que Bruxelas prosseguirá o seu plano de contingência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.