Dia Internacional da Terra é assinalado hoje com foco em problemas ambientais

O Dia Internacional da Terra, hoje assinalado, é aproveitado por organizações ambientalistas para apontar problemas como o abandono de resíduos, nomeadamente plásticos, alterações climáticas, seca, poluição do mar, ar e rios ou perda de biodiversidade.

O alerta relaciona-se com as consequências da atual forma de viver da sociedade, com elevado consumo e produção de lixo e de emissões de gases com efeito de estufa, que estão a afetar o equilíbrio da natureza, colocando em risco a vida humana.

"Gostemos ou não, se não preservarmos o planeta Terra, não teremos, por enquanto, outro lugar onde podemos viver", realçou a associação de defesa do ambiente Quercus.

Aderindo ao tema definido para este Dia Internacional da terra, a organização internacional WWF preparou ações para "acabar com a poluição pelos plásticos" e, durante a semana passada, o assunto foi abordado em vários países, com iniciativas como a sensibilização de supermercados para a necessidade de reduzir as embalagens.

O plástico permanece entre 50 a 200 anos na natureza e causa danos, nomeadamente nos oceanos, matando peixes e aves que confundem fragmentos de plástico com alimento.

Pela Europa, grupos de cidadãos têm-se juntado para fazer compras no mesmo supermercado e, após o pagamento, retiram os produtos das embalagens desnecessárias, que ficam nos carrinhos, demonstrando a quantidade de plástico que poderia ter sido evitada.

A Associação Natureza Portugal (ANP) - representante da WWF em Portugal - apelou para que consumidores se juntem hoje num supermercado em Lisboa numa ação daquele tipo.

Para a Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, é necessário repensar o modelo de produção e consumo e apresenta uma lista de conselhos para que cada cidadão possa diminuir a sua pegada ecológica, como reduzir o consumo de proteína animal - a forma "mais simples, rápida e eficaz" - ou repensar sobre a necessidade de comprar, as condições de produção e a durabilidade dos produtos - o que pode levar a poupar muito dinheiro e recursos ambientais.

Como a mobilidade é uma das áreas que afetam o ambiente, através das emissões de gases com efeito de estufa, os ambientalistas aconselham os consumidores a evitar viajar de avião e optar por transportes públicos e modos suaves, como bicicleta, que podem melhorar a qualidade de vida e o ambiente, e a fazer ouvir a sua voz para que "políticos e empresários percebam que é urgente tornar a produção e consumo compatíveis com os limites do planeta".

A 22 de abril de 1970, foi criado, pelo senador norte-americano Gaylord Nelson o "Dia da Terra", depois reconhecido pelas Nações Unidas em 2009, tendo sido instituído como "Dia Internacional da Terra".

Para celebrar o "Dia Internacional da Terra", a Quercus promoveu a realização de uma gravura de grandes dimensões na praia do Mindelo, em Vila do Conde, Porto, iniciativa que acompanha o projeto de vários artistas de gravuras na areia, em diversas praias da Europa, contra a poluição do mar pelos plásticos.

Tendo como tela o areal daquela praia, na terça-feira, a gravura executada por J.Ben, um artista que trabalha neste tipo de arte, sensibilizou para o problema da poluição marinha provocada pelo plástico.

Acerca das mudanças do clima, a Quercus refere que estas sempre existiram mas, no último século, o "ritmo entre as variações climáticas sofreu uma forte aceleração, com tendência para atingir proporções dramáticas" se não forem tomadas medidas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.