Dakar: Paulo Gonçalves sofre traumatismo craniano na quinta etapa e abandona

O piloto português Paulo Gonçalves (Honda) abandonou o rali Dakar de todo-o-terreno, depois de sofrer uma queda de mota, que lhe causou um traumatismo craniano na quinta etapa da prova, disputada entre Moquegua e Arequipa, no Peru.

De acordo com a organização, o piloto luso "foi forçado a abandonar com um traumatismo craniano leve e uma possível fratura numa mão", tendo sido retirado do percurso de helicóptero.

"Seguia de forma tranquila, sem querer cometer qualquer excesso. Não sei sequer como caí. Julgo ter batido numa pedra escondida e fui projetado numa zona de 'fesh-fesh' [pó]. Agradeço ao Sam [Sunderland] pela pronta ajuda no local", comentou o piloto português, citado pela sua assessoria de imprensa.

O piloto de Esposende tinha subido ao oitavo lugar na classificação das motas no rali Dakar de todo-o-terreno na véspera, após o sexto lugar conquistado na quarta etapa, que ligou Arequipa a Moquegua.

Paulo Gonçalves tinha gastado 3:54.06 horas para cumprir os 405 quilómetros cronometrados de um total de 511 quilómetros, terminando a 13.36 minutos do vencedor da tirada, o norte-americano Ricky Brabec, seu companheiro de equipa na Honda e líder da classificação da prova de motas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.