Dados do desemprego refletem "evolução mais positiva de toda a legislatura" - Vieira da Silva

O ministro do Trabalho disse hoje à Lusa que os dados do desemprego do segundo trimestre são "talvez a evolução mais positiva" de toda a legislatura do ponto de vista trimestral, classificando-os de "sinal muito positivo" para Portugal.

A taxa de desemprego desceu para 6,7% no segundo trimestre, atingindo o "valor mais baixo da série iniciada no primeiro trimestre de 2011", divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"Esta é talvez a evolução mais positiva de toda esta legislatura do ponto de vista trimestral", disse o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Vieira da Silva, ao comentar os dados do INE.

A taxa de 6,7% de desemprego "compara com aquilo que existia no final de 2015, onde no início desta legislatura era de 12,2%, uma queda de 44% do número de desempregados e da taxa de desemprego", destacou o governante.

Além disso, "é um dado muito significativo", uma vez que "é acompanhado por um forte crescimento do emprego", salientou.

"Foram criados em termos líquidos, nestes cerca de dois anos e meio, 312 mil postos de trabalho, foi diminuído em 282 mil o número de desempregados, dos quais 211 mil são desempregados de longa duração", prosseguiu José António Vieira da Silva.

"E este é um dos dados mais significativos desta informação do Instituto Nacional de Estatística, que é a forte concentração da diminuição do desemprego em desempregados de longa duração", apontou o governante, destacando que a taxa de desempregados de longa duração, ou seja, há mais de um ano no desemprego, era de 7,6% e agora é de 3,5%, "das mais baixas deste século".

Isto significa que "o dinamismo do emprego está a ser muito forte, a recuperar para o mercado de trabalho pessoas que estavam afastadas há muito tempo, faz com que também tenha crescido a população ativa", sublinhou o ministro.

Além disso, também destacou que "há uma melhoria no emprego juvenil muito forte", apontando que é "uma melhoria ainda mais sólida naquilo que são chamados jovens Neet [que não está nem a trabalhar nem a estudar ou a frequentar qualquer tipo de formação], uma vez que "a descida é muito relevante, passa dos 227 mil para 137 mil".

"Todos os indicadores são indicadores de reequilíbrio e, para finalizar, isto é acompanhado por um crescimento do salário médio superior a 4% em termos anuais pelos dados do INE. Portanto, há, de facto, um dinamismo muito forte do mercado de trabalho que corresponde ao dinamismo da economia e que é provavelmente das melhores notícias que podemos ter do ponto de vista estrutural, porque quer dizer que a economia portuguesa se está a modernizar e está a modernizar-se com forte conteúdo de emprego", afirmou Vieira da Silva.

"É um sinal muito positivo para o país, o Governo sempre disse que a prioridade do país tinha de ser emprego, emprego, emprego, sem crescimento do emprego e dos salários tudo mais se torna mais difícil", concluiu.

De acordo com o INE, a população desempregada, estimada em 351,8 mil pessoas, "diminuiu 14,2% (menos 58,3 mil) relativamente ao trimestre anterior, prosseguindo os decréscimos trimestrais observados desde o segundo trimestre de 2016".

No que respeita ao trimestre homólogo, registou-se um recuo de 23,7% (menos 109,6 mil), "ligeiramente inferior à observada no trimestre precedente".

A taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) desceu para 19,4%, "correspondendo também ao valor mais baixo da série iniciada no primeiro trimestre de 2011", adianta o INE nas estatísticas de emprego relativas ao segundo trimestre deste ano.

Já a população empregada teve um aumento trimestral de 1,4% (67,4 mil) e de 2,4% (mais 113,7 mil) em termos homólogos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.