Dados do desemprego refletem "evolução mais positiva de toda a legislatura" - Vieira da Silva

O ministro do Trabalho disse hoje à Lusa que os dados do desemprego do segundo trimestre são "talvez a evolução mais positiva" de toda a legislatura do ponto de vista trimestral, classificando-os de "sinal muito positivo" para Portugal.

A taxa de desemprego desceu para 6,7% no segundo trimestre, atingindo o "valor mais baixo da série iniciada no primeiro trimestre de 2011", divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"Esta é talvez a evolução mais positiva de toda esta legislatura do ponto de vista trimestral", disse o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Vieira da Silva, ao comentar os dados do INE.

A taxa de 6,7% de desemprego "compara com aquilo que existia no final de 2015, onde no início desta legislatura era de 12,2%, uma queda de 44% do número de desempregados e da taxa de desemprego", destacou o governante.

Além disso, "é um dado muito significativo", uma vez que "é acompanhado por um forte crescimento do emprego", salientou.

"Foram criados em termos líquidos, nestes cerca de dois anos e meio, 312 mil postos de trabalho, foi diminuído em 282 mil o número de desempregados, dos quais 211 mil são desempregados de longa duração", prosseguiu José António Vieira da Silva.

"E este é um dos dados mais significativos desta informação do Instituto Nacional de Estatística, que é a forte concentração da diminuição do desemprego em desempregados de longa duração", apontou o governante, destacando que a taxa de desempregados de longa duração, ou seja, há mais de um ano no desemprego, era de 7,6% e agora é de 3,5%, "das mais baixas deste século".

Isto significa que "o dinamismo do emprego está a ser muito forte, a recuperar para o mercado de trabalho pessoas que estavam afastadas há muito tempo, faz com que também tenha crescido a população ativa", sublinhou o ministro.

Além disso, também destacou que "há uma melhoria no emprego juvenil muito forte", apontando que é "uma melhoria ainda mais sólida naquilo que são chamados jovens Neet [que não está nem a trabalhar nem a estudar ou a frequentar qualquer tipo de formação], uma vez que "a descida é muito relevante, passa dos 227 mil para 137 mil".

"Todos os indicadores são indicadores de reequilíbrio e, para finalizar, isto é acompanhado por um crescimento do salário médio superior a 4% em termos anuais pelos dados do INE. Portanto, há, de facto, um dinamismo muito forte do mercado de trabalho que corresponde ao dinamismo da economia e que é provavelmente das melhores notícias que podemos ter do ponto de vista estrutural, porque quer dizer que a economia portuguesa se está a modernizar e está a modernizar-se com forte conteúdo de emprego", afirmou Vieira da Silva.

"É um sinal muito positivo para o país, o Governo sempre disse que a prioridade do país tinha de ser emprego, emprego, emprego, sem crescimento do emprego e dos salários tudo mais se torna mais difícil", concluiu.

De acordo com o INE, a população desempregada, estimada em 351,8 mil pessoas, "diminuiu 14,2% (menos 58,3 mil) relativamente ao trimestre anterior, prosseguindo os decréscimos trimestrais observados desde o segundo trimestre de 2016".

No que respeita ao trimestre homólogo, registou-se um recuo de 23,7% (menos 109,6 mil), "ligeiramente inferior à observada no trimestre precedente".

A taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) desceu para 19,4%, "correspondendo também ao valor mais baixo da série iniciada no primeiro trimestre de 2011", adianta o INE nas estatísticas de emprego relativas ao segundo trimestre deste ano.

Já a população empregada teve um aumento trimestral de 1,4% (67,4 mil) e de 2,4% (mais 113,7 mil) em termos homólogos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.