Crianças "reinterpretam" memórias de Guimarães com projeto "Pergunta ao Tempo"

O território e lembranças de Guimarães foram "reinterpretados" pelas crianças do concelho, no projeto "Pergunta ao tempo", que teve por objetivo "chegar às memórias coletivas" vimaranenses através daqueles que "não têm memória" mas "têm toda a curiosidade".

Quando se questiona o Tempo, nem sempre o Tempo responde "quanto tempo o tempo tem". Às vezes responde com objetos, como relógios de parede, máquinas de costura, "trapos bordados à mão", porta-fatos, quadros, livros ou cassetes de música.

Foram estas algumas das respostas que os alunos do 4.º ano do conselho de Guimarães - um total de 289 - tiveram quando perguntaram ao tempo quem eram, e que estão agora em exposição na Casa da Memória, em Guimarães.

"O objetivo deste projeto ['Pergunta ao Tempo'] é chegar às memórias coletivas de cada um dos lugares de Guimarães, e achámos que a melhor maneira de o fazer era através das crianças, que, apesar de terem pouca memória, têm toda a curiosidade. Assim conseguimos chegar às diferentes memórias sobre artefactos, objetos de Guimarães", explicou a responsável pelo projeto, Marta Silva.

As respostas do Tempo por vezes surpreendem, os tempos variam na memória: "Através destas crianças conseguimos perceber que há coisas que não são tão contemporâneas com pensávamos, como as cassetes de música por exemplo", explicou a responsável.

"As cassetes eram desconhecidas por muitas destas crianças", apontou, salientando a importância deste tipo de projetos na preservação da memória de um território.

"Elas conseguiram reinterpretar coisas do quotidiano, que viam em casa dos pais, dos avós, dos tios que não sabiam para o que era, essas coisas aqui ganham dimensão museológica", disse.

O espicaçar da curiosidade infantil era outro dos objetivos do "Pergunta ao Tempo", segundo explicou a diretora artística do setor de Educação da Oficina, Ana Lúcia.

"Este projeto partiu do desafio lançado à Casa da Memória, que pretendia estimular o espírito de pesquisa, recolha de informação sobre o território, despertar as crianças para uma procura do conhecimento que não seja só aquela dada na escola", explanou.

As respostas do Tempo vão estar em exposição até 12 de setembro, na Casa da Memória, o local de Guimarães onde cabe toda a vivência da comunidade, território, História e muitas histórias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.