Crianças "reinterpretam" memórias de Guimarães com projeto "Pergunta ao Tempo"

O território e lembranças de Guimarães foram "reinterpretados" pelas crianças do concelho, no projeto "Pergunta ao tempo", que teve por objetivo "chegar às memórias coletivas" vimaranenses através daqueles que "não têm memória" mas "têm toda a curiosidade".

Quando se questiona o Tempo, nem sempre o Tempo responde "quanto tempo o tempo tem". Às vezes responde com objetos, como relógios de parede, máquinas de costura, "trapos bordados à mão", porta-fatos, quadros, livros ou cassetes de música.

Foram estas algumas das respostas que os alunos do 4.º ano do conselho de Guimarães - um total de 289 - tiveram quando perguntaram ao tempo quem eram, e que estão agora em exposição na Casa da Memória, em Guimarães.

"O objetivo deste projeto ['Pergunta ao Tempo'] é chegar às memórias coletivas de cada um dos lugares de Guimarães, e achámos que a melhor maneira de o fazer era através das crianças, que, apesar de terem pouca memória, têm toda a curiosidade. Assim conseguimos chegar às diferentes memórias sobre artefactos, objetos de Guimarães", explicou a responsável pelo projeto, Marta Silva.

As respostas do Tempo por vezes surpreendem, os tempos variam na memória: "Através destas crianças conseguimos perceber que há coisas que não são tão contemporâneas com pensávamos, como as cassetes de música por exemplo", explicou a responsável.

"As cassetes eram desconhecidas por muitas destas crianças", apontou, salientando a importância deste tipo de projetos na preservação da memória de um território.

"Elas conseguiram reinterpretar coisas do quotidiano, que viam em casa dos pais, dos avós, dos tios que não sabiam para o que era, essas coisas aqui ganham dimensão museológica", disse.

O espicaçar da curiosidade infantil era outro dos objetivos do "Pergunta ao Tempo", segundo explicou a diretora artística do setor de Educação da Oficina, Ana Lúcia.

"Este projeto partiu do desafio lançado à Casa da Memória, que pretendia estimular o espírito de pesquisa, recolha de informação sobre o território, despertar as crianças para uma procura do conhecimento que não seja só aquela dada na escola", explanou.

As respostas do Tempo vão estar em exposição até 12 de setembro, na Casa da Memória, o local de Guimarães onde cabe toda a vivência da comunidade, território, História e muitas histórias.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.