Costinha confiante num bom resultado perante o Sporting

O treinador do Nacional manifestou hoje confiança para a receção ao Sporting, da 30.ª jornada da I Liga de futebol, numa conferência marcada pela interrupção por parte dos 'capitães', numa manifestação de apoio a Costinha.

Na antevisão ao jogo com os 'leões', o técnico reconheceu que irá defrontar uma "equipa forte, que vem de um ciclo de vitórias muito bom" e que possui "bons jogadores e um bom treinador".

Todavia, tais factos não retiram ambição, mesmo com a consciência de que o Nacional está "numa situação complicada", embora haja "força para poder sair desta situação".

Costinha diz que a equipa tem de "estar mais concentrada e ser um pouco mais rigorosa", para além da "pontinha de sorte que tem faltado", ressalvando que o "Sporting vai querer ganhar, mas não quererá mais que o Nacional".

O treinador português recordou também o jogo em Alvalade, que se saldou por uma derrota por 5-2, mas num embate em que o Nacional, na sua ótica, foi prejudicado pela arbitragem.

Contudo, este é um jogo diferente e Costinha frisa que o Nacional não terá de se preocupar só com "o Bruno Fernandes, que está numa 'super' forma, mas não é o único jogador" com que é preciso "ter cuidado".

O técnico dos madeirenses sublinhou ainda que se alterar a forma de jogar do Nacional para este jogo, "abandonando os princípios, será uma confusão", porque a equipa esteve "durante uma época a trabalhar um processo", sendo que "há que ter cuidados", face ao valor do Sporting.

Costinha confidenciou que todos sabiam "desde o início, que seria difícil" a luta pela manutenção, mas assegurou que houve "sempre um foco, que não deixará de existir, pois há 15 pontos em disputa".

A conferência de imprensa de Costinha acabou por ser interrompida pelos capitães de equipa Diego Barcellos, Diogo Coelho e Felipe Lopes, numa manifestação de apoio ao técnico, que claramente emocionou Costinha.

Diego Barcelos em representação do grupo disse que todos depositam "total confiança no seu trabalho", afirmando que o grupo está com o técnico, num momento difícil. Diego Barcelos sublinhou que o plantel "está focado nos desejos do clube".

O 'capitão' frisou ainda que todos estão "no mesmo barco", tendo Costinha a total "confiança do balneário".

Diego Barcelos enalteceu o facto de durante a época Costinha ter manifestado o apoio no plantel, asseverando que os jogadores darão tudo "nestas cinco finais que faltam" e que, "todos juntos", tudo irão fazer para "manter o Nacional na I Liga".

Costinha disse, depois, que não estava à espera da manifestação dos jogadores, mas acrescentou que tal não o surpreender, pois tem uma "relação muito boa com os jogadores".

O Nacional, 16.º classificado, com 27 pontos, recebe na sexta-feira, no Estádio da Madeira, no Funchal, a partir das 18:00 o Sporting, terceiro, com 64, em partida da 30.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.