Costa compara professores e técnicos superiores e defende carreiras mais atrativas no Estado

Cascais, Lisboa, 10 mai 2019 (Lusa) - O primeiro-ministro comparou hoje a situação dos professores com a dos técnicos superiores da Administração Pública, referindo que os últimos progridem a ritmo bastante inferior, e defendeu que o Estado tem de ter carreiras mais atrativas.

"No máximo, 5% do conjunto dos técnicos superiores poderão progredir ao mesmo ritmo dos professores", referiu António Costa, em resposta a um aluno, durante uma aula-debate no Campus de Carcavelos da Universidade Nova de Lisboa, promovido pela associação de estudantes desta instituição.

Após falar sobre os diferentes sistemas que existem dentro do Estado, afirmou: "Há uma coisa relativamente à qual não tenho a menor das dúvidas, o Estado vai ter de investir muito significativamente nos próximos anos na revalorização dos seus quadros. Os anos da crise depauperaram completamente a estrutura técnica da Administração Pública".

O primeiro-ministro respondia a uma questão colocada por um aluno sobre a diferença entre o tempo de progressão nos setores público e privado, ao mesmo tempo que o parlamento se preparava para a votação final global sobre contagem de tempo de serviço dos professores.

Na resposta, António Costa começou por salientar que atualmente "a variável tempo" já não é "a variável fundamental" da progressão na Administração Pública, embora ainda seja assim "em alguns corpos especiais".

Segundo o primeiro-ministro, "uma das grandes dificuldades deste debate com os professores e da resolução de todo este problema resulta precisamente desta circunstância".

"Basicamente as carreiras que dependem essencialmente do fator tempo para a progressão: professores, militares das Forças Armadas e da Guarda Nacional Republicana (GNR), oficiais de justiça e magistrados. Todos eles com diferenças também entre eles, convém já esclarecer. Em todas as outras o fator tempo já não é o fator determinante", acrescentou.

Exclusivos