Copa América: Queiroz quer aproveita o primeiro "match point", face ao Qatar

São Paulo, Brasil, 19 jun 2019 (Lusa) -- O treinador português Carlos Queiroz afirmou terça-feira que o embate com o Qatar, da segunda jornada do Grupo B da Copa América em futebol, é um "match point" que a Colômbia quer aproveitar para atingir os 'quartos'.

"É um jogo de campeonato e, como no ténis, é um 'match point'", disse Queiroz, no Morumbi, em São Paulo, na conferência de imprensa de antevisão do jogo de quarta-feira, face aos recentes vencedores da Taça da Ásia.

Depois do 2-0 à Argentina, o técnico luso deixou muitos elogios ao próximo adversário, que se estreou com um 2-2 face ao Paraguai, falando de um progresso "notório e fantástico" e de uma seleção com "jogadores que estão juntos há muitos anos".

"Estamos alerta e preparados para jogar com o Qatar. Temos de controlar bem o jogo, mantendo a nossa identidade, e não podemos fazer muitas alterações, mas também temos de tomar decisões para ganhar e, se for preciso mudar algo, o que quero é mudar para ficarmos melhores", explicou.

Queiroz sabe que o Qatar não tem o nome da Argentina e, por isso, pede "muita humildade e concentração" aos seus jogadores e também que não se deixem contagiar pela euforia dos adeptos, depois do triunfo face ao conjunto de Lionel Messi.

"O trabalho dos jogadores é rigor, sofrimento, concentração e qualidade", frisou, acrescentando: "Jogar futebol é muito difícil, na playstation é muito mais fácil".

Depois de vários anos a comandar o Irão, Queiroz está identificado com o futebol asiático e lembrou que este "evoluiu muito dentro do campo e menos fora".

Quanto ao 'onze', e face à lesão de Muriel, que teve de abandonar a competição, Queiroz disse que há várias opções, como Roger Martínez, autor do primeiro golo face à Argentina, Duvan Zapara ou Luís Díaz.

"O que não mata, engorda, e o que engorda torna-nos mais fortes. Confio que esta perda nos fará mais fortes, mais unidos e mais determinados", avançou o técnico luso, reconhecendo, porém, que se trata de uma "grande perda".

Para conseguir ir longe, Queiroz conta também com o criativo ex-portista James Rodríguez, "um jogador muito importante, que teve uma época desafortunada, mas que tem recuperado gradualmente".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.