Conselho de Segurança da ONU quer responsáveis de ataque na Colômbia perante a justiça

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou hoje o ataque que ocorreu numa escola de polícia em Bogotá e apelou a todos os países que cooperem com o Governo da Colômbia para levar à justiça os responsáveis.

Numa declaração aprovada pelos 15 Estados-membros, o Conselho de Segurança condenou, "nos termos mais fortes", o ataque que ocorreu na escola de polícia e que causou 21 mortos e 68 feridos.

O Conselho de Segurança salientou a necessidade de "levar perante a justiça os autores, organizadores, financiadores e patrocinadores" do ataque e deixou um apelo a todos os países para que colaborem com o Governo colombiano e com todas as autoridades competentes.

De acordo com o Conselho, todos os atos de terrorismo são "criminosos e injustificáveis", independentemente da motivação ou de quem os comete, pelo que todos os Estados devem lutar, dentro da lei, contra as organizações que os realizem.

Os 15 países também expressaram suas condolências às famílias das vítimas e desejaram uma rápida recuperação dos feridos.

O ataque com um carro armadilhado que explodiu, na quinta-feira, numa academia de polícia em Bogotá, provocou 21 mortos, com o Governo colombiano a atribuir aos rebeldes do Exército de Libertação Nacional (ELN) a responsabilidade pelo ataque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.