Confederação patronal moçambicana critica falta de clareza na emissão de bilhetes de tesouro

O presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), a maior confederação patronal do país, criticou hoje o banco central pela falta de clareza na emissão de bilhetes de tesouro, alertando para o agravamento do "endividamento desenfreado".

"Não há clareza sobre o propósito destas emissões de bilhetes de tesouro, é importante que haja uma melhor comunicação para não se agitar o mercado", declarou Agostinho Vuma.

Insistindo que o setor privado moçambicano acompanha com "grande preocupação" a atuação do banco central na questão dos bilhetes de tesouro, o presidente da CTA assinalou que operações do género levaram à escassez e encarecimento de crédito para o setor privado, provocando a falência de muitas empresas.

O Banco de Moçambique anunciou no dia 11 deste mês que irá efetuar "uma colocação de Bilhetes do Tesouro (BT) em leilão do tipo B, dirigido às instituições financeiras não monetárias", mas não indicou quando o fará nem os montantes envolvidos.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.