Concurso para nova concessão de transportes na área de Lisboa "até meados do ano" - AML

Mafra, Lisboa, 15 abr 2019 (Lusa) - A Área Metropolitana de Lisboa (AML) espera conseguir "até meados deste ano" lançar o concurso para concessionar o novo modelo de transportes, prevendo um aumento da oferta para acompanhar as reduções tarifárias, foi hoje anunciado em Mafra.

"Até meados do ano talvez estejamos em condições de pôr a concurso" a nova concessão de transportes rodoviários, afirmou o primeiro secretário do conselho metropolitano da AML, Carlos Humberto, durante a conferência sobre o novo "sistema tarifário e rede metropolitana de transportes de Lisboa", que decorreu hoje em Mafra, no distrito de Lisboa.

A nova rede de transportes, assegurou, "vai responder mais às necessidades da população, garantindo um aumento da oferta de transportes", acompanhando assim as alterações tarifárias, que entraram em vigor no início deste mês.

"A redução tarifária é importante, mas insuficiente e tem de ser contemplada com o aumento da oferta, temos de exigir mais ao Governo e é nesse sentido que estamos a trabalhar", frisou.

O responsável adiantou que, "até meados de maio, gostaria de ter fechados todos os cenários e a [nova] rede" de transportes.

Carlos Humberto explicou que o caderno de encargos do concurso vai prever a "compra de quilómetros" às empresas concorrentes pela AML, sendo o contrato dividido por "quatro ou cinco lotes diferentes" que, por sua vez, "não podem ser ganhos pelo mesmo operador".

No final do contrato, "parte das viaturas" poderá passar para a "propriedade da AML", mas vai depender dos "meios financeiros" que a autoridade de transportes conseguir introduzir.

Até junho, a AML espera conseguir criar uma nova empresa pública "para fazer a gestão de todo o sistema de transportes".

Os dados dos primeiros 15 dias do novo sistema tarifário, que a AML vai hoje divulgar, preveem um aumento da procura dos transportes e de adesão aos novos passes.

"Se a procura crescer 40%, dificilmente teremos meios financeiros para fazer face a esse aumento", avisou Carlos Humberto.

Em Mafra, a compra de passes aumentou 20%", assim como aumentaram as viaturas nos parques de estacionamento existentes nos parques intermodais, disse Hélder Sousa Silva, presidente desta câmara municipal e vice-presidente do conselho metropolitano da AML.

O secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes, respondeu que a "tendência é para haver mais pessoas a usarem os transportes públicos e, com a redução dos custos nos transportes, haver um aumento da procura na ordem dos 10%" em todo o país.

Esse acréscimo, correspondente a um "passo transformacional na alteração do paradigma da mobilidade, "pode tirar das estradas 73 mil automóveis e reduzir em 72 mil toneladas as emissões de dióxido de carbono todos os anos".

A AML integra os municípios de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.