Concurso para nova concessão de transportes na área de Lisboa "até meados do ano" - AML

Mafra, Lisboa, 15 abr 2019 (Lusa) - A Área Metropolitana de Lisboa (AML) espera conseguir "até meados deste ano" lançar o concurso para concessionar o novo modelo de transportes, prevendo um aumento da oferta para acompanhar as reduções tarifárias, foi hoje anunciado em Mafra.

"Até meados do ano talvez estejamos em condições de pôr a concurso" a nova concessão de transportes rodoviários, afirmou o primeiro secretário do conselho metropolitano da AML, Carlos Humberto, durante a conferência sobre o novo "sistema tarifário e rede metropolitana de transportes de Lisboa", que decorreu hoje em Mafra, no distrito de Lisboa.

A nova rede de transportes, assegurou, "vai responder mais às necessidades da população, garantindo um aumento da oferta de transportes", acompanhando assim as alterações tarifárias, que entraram em vigor no início deste mês.

"A redução tarifária é importante, mas insuficiente e tem de ser contemplada com o aumento da oferta, temos de exigir mais ao Governo e é nesse sentido que estamos a trabalhar", frisou.

O responsável adiantou que, "até meados de maio, gostaria de ter fechados todos os cenários e a [nova] rede" de transportes.

Carlos Humberto explicou que o caderno de encargos do concurso vai prever a "compra de quilómetros" às empresas concorrentes pela AML, sendo o contrato dividido por "quatro ou cinco lotes diferentes" que, por sua vez, "não podem ser ganhos pelo mesmo operador".

No final do contrato, "parte das viaturas" poderá passar para a "propriedade da AML", mas vai depender dos "meios financeiros" que a autoridade de transportes conseguir introduzir.

Até junho, a AML espera conseguir criar uma nova empresa pública "para fazer a gestão de todo o sistema de transportes".

Os dados dos primeiros 15 dias do novo sistema tarifário, que a AML vai hoje divulgar, preveem um aumento da procura dos transportes e de adesão aos novos passes.

"Se a procura crescer 40%, dificilmente teremos meios financeiros para fazer face a esse aumento", avisou Carlos Humberto.

Em Mafra, a compra de passes aumentou 20%", assim como aumentaram as viaturas nos parques de estacionamento existentes nos parques intermodais, disse Hélder Sousa Silva, presidente desta câmara municipal e vice-presidente do conselho metropolitano da AML.

O secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes, respondeu que a "tendência é para haver mais pessoas a usarem os transportes públicos e, com a redução dos custos nos transportes, haver um aumento da procura na ordem dos 10%" em todo o país.

Esse acréscimo, correspondente a um "passo transformacional na alteração do paradigma da mobilidade, "pode tirar das estradas 73 mil automóveis e reduzir em 72 mil toneladas as emissões de dióxido de carbono todos os anos".

A AML integra os municípios de Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.