Concurso Nacional de Cervejas Caseiras pela primeira vez em Portimão, Lisboa e Porto

A 5.ª edição do Concurso Nacional de Cervejas Caseiras e Artesanais vai decorrer pela primeira vez em três cidades portuguesas, Portimão, Lisboa e Porto, entre 28 de outubro e 04 de novembro, foi hoje anunciado.

A extensão geográfica é uma das grandes novidades desta edição, visto que nos anos anteriores este concurso apenas se realizava na cidade de Lisboa, segundo a organização.

Este ano a organização quis uma "descentralização do concurso (...) e isso faz todo o sentido porque o concurso é nacional", reforça o membro da organização Bruno Aquino.

A prova de degustação tem início no dia 28 de outubro, em Portimão, e nos dois seguintes em Lisboa, terminando o concurso com a atribuição dos prémios na cidade do Porto, a 04 de novembro.

Para a organização, a prova cresceu para quatro dias, mais um do que no ano passado, "porque a perspetiva do número de concorrentes é maior", sendo que "este ano preveem-se 100 cervejas em concurso", afirmou.

As marcas de cervejas artesanais '2 corvos', 'Maldita' e 'Dos'diabos' associaram-se ao concurso e vão reproduzir as cervejas vencedoras nas categorias 'Lager', 'Ale' e 'Taça Beer Judge Certification Program (BJCP)', anunciou a organização.

Qualquer produtor de cervejas artesanais e caseiras, com produções inferiores a 150 litros mensais, pode participar no concurso.

As inscrições, que até hoje já contam com um total de 22 concorrentes, abriram a 01 de setembro e decorrem até 21 de outubro no 'site' Cerveja Magazine, "que a par da Loja da Cerveja Caseira colabora, nesta edição, na organização do concurso", mencionou.

"É uma prova cega avaliada por júris certificados, nomeadamente pelo 'Beer Judge Certification Program', uma organização mundial de juízes de cerveja, criada em 1985, presente em mais de 40 países e com mais de 6.000 juízes", acrescentou a organização, em comunicado.

As garrafas de cerveja serão apenas numeradas e não terão qualquer rótulo no dia da prova para que não possam ser identificadas.

A primeira edição do concurso contou com 20 concorrentes e cresceu até às quase 80 inscrições no ano passado, retratando "a excelente fase que o 'homebrewing'- atividade que está muito na moda nos Estados Unidos e em Inglaterra - está a atravessar", revela a organização.

A organização tem a expetativa de crescer em locais, número de participantes e na qualidade das cervejas, "que tem vindo sempre a aumentar".

O principal objetivo é divulgar a cultura cervejeira e incentivar as pessoas a explorar este "hobby", para que possam começar a comercializar.

Segundo Bruno Aquino, "cada vez há mais prémios internacionais para as cervejas portuguesas (...) e todos os anos aumenta o número de marcas de cerveja artesanal, que é um reflexo do comércio da cerveja em Portugal".

Os cidadãos podem assistir a esta prova e, caso sobrem algumas cervejas, a organização poderá oferecê-las às pessoas que estiverem a assistir ao evento.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.